Relatório apoiado pelo FMI diz que economia de Moçambique está em momento de mudança

27 agosto 2019

Pesquisa afirma que esforços para solucionar vulnerabilidades de governança e corrupção podem ter impacto positivo duradouro; custos da corrupção durante período de 2002 a 2014 chegaram a US$ 4,9 mil milhões.

A economia de Moçambique está em um momento de mudança, diz um novo relatório preparado pelo governo do país em colaboração com o Fundo Monetário Internacional, FMI.

A pesquisa, com o título Relatório de Diagnóstico sobre Transparência, Governação e Corrupção em Moçambique, foi realizada consultando vários parceiros.

Soluções

Ciclones Idai e Kenneth colocam dificuldades ao desenvolvimento económico de Moçambique, ONU/Eskinder Debebe

O relatório diz que “os esforços para solucionar as vulnerabilidades de administração e corrupção podem ter um impacto positivo duradouro.”

As autoridades nacionais afirmam que “os níveis atuais de dívida pública levaram a examinar com atenção a estrutura de governação e anticorrupção” e que várias reformas foram iniciadas “para lidar com as vulnerabilidades expostas nessa estrutura.”

Corrupção

A pesquisa analisa vários problemas, especificamente a corrupção. Segundo um estudo recente, os custos destes crimes durante o período de 2002 a 2014 chegaram a US$ 4,9 mil milhões. Esse valor representa, aproximadamente 30% do Produto Interno Bruto, PIB, de 2014.

O impacto desses custos é considerado “generalizado, afetando contribuintes, prestadores de serviços públicos, o setor financeiro e privado, bem como a reputação internacional de Moçambique.”

Além disso, esses custos “são especialmente prejudiciais no momento em que o país  foi atingido por uma série de choques, principalmente a queda nos preços das matérias-primas, a seca, a retirada do apoio orçamental dos doadores e, mais recentemente, os ciclones tropicais Idai e Kenneth.”

Recursos

A pesquisa também se refere a uma série de investimentos sendo realizados no país para exploração de recursos naturais.

Os autores do estudo dizem que “Moçambique está preparado para receber receitas significativas das reservas de recursos naturais” e que é dever das autoridades nacionais “garantir a administração responsável desses fundos para as gerações atuais e futuras.”

A pesquisa conclui dizendo que podem ser esperados “resultados duradouros” se “forem tomadas medidas significativas para implementar a estrutura de governança e anticorrupção de maneira uniforme, consistente e eficaz.”

Além disso, devem ser apoiados “os esforços em direção à transparência e à responsabilidade individual e institucional.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres diz que “Moçambique está cada vez mais perto de pôr fim ao casamento infantil”

Assembleia da República aprovou lei que criminaliza casamento entre um adulto e pessoa menor de 18 anos; segundo as Nações Unidas, o país está em 9º lugar dos países onde os casamentos infantis mais ocorrem.

Mostra fotográfica ilustra combate à desnutrição aguda em Moçambique

PMA apoia ações para enfrentar o problema que afeta 6% de crianças com menos de cinco anos; cerca de 15% dos menores de idade sofrem de baixo peso e 43% de desnutrição crónica.*