ONU quer acesso a cidade onde morreram 90 pessoas em ataques na Líbia
BR

20 agosto 2019

Mês de agosto marca retomada de combates em Murzuq; área sofreu ataques aéreos, lançamento de foguetes e confrontos diretos; Ocha aponta como prioridade a entrega de auxílio médico e alimentar.

Pelo menos 90 civis foram mortos e mais de 200 ficaram feridos este mês desde que aumentaram os confrontos na pequena cidade de Murzuq, um oásis no sudoeste da Líbia.

Cerca de metade das mortes ocorreram num ataque aéreo que atingiu a área há duas semanas, segundo o Escritório da ONU de Assistência Humanitária, Ocha.

Confrontos na Líbia ocprrem entre o governo de Trípoli, reconhecido pela comunidade internacional, e as forças militares do leste, que são leais ao general Khalifa Haftar. Foto: Unsmil

Confrontos

De acordo com o escritório, na região ocorrem ações como ataques aéreos, lançamento indiscriminado de foguetes e confrontos diretos na área que fazem vítimas em todos os lados.

No país, ocorrem confrontos entre o governo de Trípoli, reconhecido pela comunidade internacional, e as forças militares do leste, que são leais ao general Khalifa Haftar.

As Nações Unidas e outras agências humanitárias prestam assistência médica de emergência, distribuição alimentar, abrigos e artigos alimentares, mas o acesso continua difícil devido aos combates ativos. Muitas estradas estão danificadas ou bloqueadas, destaca o Ocha.

Em nota, o escritório pede a todas as partes envolvidas que garantam urgentemente as condições para o acesso humanitário seguro e desimpedido aos necessitados, e assegurem que os civis possam sair quando assim o desejarem.

Represálias

Estima-se que mais de 6,4 mil pessoas tenham abandonado suas casas devido à violência em Murzuq, mas algumas famílias têm receio de deixar as áreas afetadas por medo de represálias.

De acordo com o Ocha, estas temem ser alvo de suspeitas de serem afiliados a forças adversárias se deixarem um bairro que seja controlado por um lado do conflito para a área de influência do outro.

O escritório alertou que as necessidades humanitárias crescem rapidamente em Marzuq, onde deverá ser dada prioridade à entrega de auxílio médico, alimentar, água e saneamento, tendas, cobertores e kits de higiene.

O Ocha lembra às partes que têm a obrigação de proteger os cidadãos e instalações civis em todos os momentos.

O escritório pediu mais fundos da comunidade doadora para o Plano de Resposta Humanitária de 2019, que requer US$ 202 milhões e foi financiado em 30%. 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

103 crianças estão a bordo de um navio humanitário isolado no Mediterrâneo

Apenas 11 desses menores estão acompanhados na embarcação Ocean Viking; Unicef considera inconcebível que a política esteja sendo priorizada em relação ao  salvamento dessas vidas.

ONU condena ataque mortal na Líbia

De acordo com nota emitida pelo porta-voz de António Guterres, três funcionários das Nações Unidas foram mortos no atentado com carro-bomba e outros três estão entre os feridos; Conselho se Segurança realizou reunião de emergência após o ato.