ONU marca Dia Internacional da Juventude destacando transformação na educação
BR

12 agosto 2019

Secretário-geral declara que “estudantes não precisam apenas aprender, mas também aprender a aprender”; estratégia das Nações Unidas pretende aumentar envolvimento com jovens e apoiar realização de metas sobre o grupo.

As Nações Unidas marcam este 12 de agosto o Dia da Juventude sob o lema Transformando a Educação.

Para o ano que marca a 20ª celebração desta data, o secretário-geral publicou uma mensagem destacando que a área educativa deve ser mais inclusiva, acessível e relevante para a situação atual.

Capacidades

De acordo com o chefe da ONU, o mundo enfrenta uma crise de aprendizagem. Para António Guterres, muitas vezes as escolas não equipam os jovens com as capacidades que eles precisam para navegar a revolução tecnológica.

O secretário-geral acrescentou que “os estudantes não precisam apenas aprender, mas também aprender a aprender”.

Guterres destaca que educação de hoje deve combinar conhecimento, competências para a vida e pensamento crítico. O secretário-geral defende ainda que esta área deve incluir informação sobre sustentabilidade e mudança climática e fazer avançar a igualdade de gênero, os direitos humanos e uma cultura de paz.

As Nações Unidas implementam a estratégia Juventude 2030, que pretende aumentar o envolvimento da organização com os jovens em temas globais e apoiar a realização dos seus direitos durante os próximos anos.

Educação

A mensagem de Guterres destaca ainda que a celebração deste dia inclui jovens, organizações lideradas por eles, governos e outros setores que atuam para transformar a educação e alcançar a juventude em todos os lugares.

Em Nova Iorque, um debate sobre liderança de jovens mulheres marca o dia com a participação de altos funcionários da ONU e ONGs que atuam em áreas como empoderamento, liderança e os direitos femininos em países e comunidades locais.

No evento também estará a enviada das Nações Unidas para a Juventude, Jayathma Wickramanayake, que este agosto promove a iniciativa que avalia como a organização interage com o grupo.

Moradia

No entanto, o especialista independente sobre a proteção contra a violência e discriminação baseada na orientação sexual e identidade de gênero, Victor Madrigal-Borloz, emitiu uma nota sobre o dia com a relatora sobre o direito à moradia, Leilani Farha.

Os dois peritos apelam aos países que adotem medidas urgentes para abordar práticas discriminatórias contra jovens lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros em relação à moradia.

A nota destaca que este grupo enfrenta a exclusão devido à intolerância religiosa ou cultural, que podem incluir formas sexuais e outras formas de violência em todo o mundo, onde estes também enfrentam exclusão socioeconômica.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Após 20 anos de referendo de autonomia, Timor-Leste aposta na educação

Cerca de 70% da população timorense é composta por jovens menores de 25 anos; Nações Unidas reiteram cooperação com o país em áreas que incluem educação, capacitação para desenvolvimento vocacional e combate ao desemprego; brasileiro Sérgio Vieira de Mello coordenou período de transição para autonomia.

Pesquisa da ONU aponta desigualdades e melhorias da infraestrutura das escolas brasileiras

Resultados do estudo lançado pela Unesco no Brasil e coordenado pela Universidade Federal de Minas Gerais aponta melhora no índice nacional de infraestrutura das escolas; qualidade ainda é baixa nas pequenas escolas municipais.