Para FAO, segurança alimentar na África precisa de mais resiliência para lidar com mudança climática BR

Mudança climática afeta também produção agrícola
Foto: Banco Mundial/Peter Kapuscinski
Mudança climática afeta também produção agrícola

Para FAO, segurança alimentar na África precisa de mais resiliência para lidar com mudança climática

Direitos humanos

Mais de 250 pessoas participaram de Diálogo de Alto Nível de Liderança sobre Segurança Alimentar da África realizado em Kigali; fome aumenta em quase todas as sub-regiões africanas, de acordo com dados mais recentes da agência da ONU.

A resiliência deve ser impulsionada na África em resposta à mudança climática. É o que defendem os participantes do Diálogo de Alto Nível de Liderança sobre Segurança Alimentar da África, realizado pelo Governo de Ruanda, em Kigali.

A diretora-geral adjunta da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, Maria Helena Semedo, destacou que "os agricultores sempre foram inovadores.” Para ela, o que eles precisam “são políticas que os protejam e aumentem sua resiliência à mudança climática.”

dados indicam que a África é a região com a maior prevalência de desnutrição, com um nível que chega a quase 20%.
dados indicam que a África é a região com a maior prevalência de desnutrição, com um nível que chega a quase 20%. , by Foto: Ocha/Meridith Kohut

Vulnerabilidade

De acordo com a FAO, os setores de alimentos e agricultura da África estão entre os mais vulneráveis ​​aos impactos negativos das mudanças climáticas. Os pequenos agricultores, pequenos empresários e suas famílias, cuja subsistência depende da agricultura irrigada pela chuva, são mais ameaçados pelo problema.

A construção de resiliência está entre as principais prioridades de desenvolvimento da FAO na África.

Para a agência, a resiliência contra múltiplas ameaças, incluindo as mudanças climáticas, é um pré-requisito fundamental para o desenvolvimento sustentável, em particular diante do desafio de alimentar mais de 2 bilhões de africanos até 2050.

Fome

De acordo com os dados mais recentes da FAO, a fome está aumentando em quase todas as sub-regiões africanas, tornando a África a região com a maior prevalência de desnutrição, com um nível que chega a quase 20%.

Essa situação é impulsionada principalmente por conflitos e pelas mudanças climáticas e é especialmente crítica na África Oriental. Cerca de 30,8 % de habitantes dessa sub-região, ou 133 milhões de pessoas, têm dificuldades para ter o suficiente para comer.

Na conferência foi constatado que é possível se adaptar a esses riscos com ações imediatas e ousadas voltadas para a resiliência. Na segunda-feira, foi endossado um compromisso para apoiar melhor os países africanos para que assim, se acelere o progresso em direção à melhoria da segurança alimentar.

Evento

Até esta terça-feira, o evento reuniu cerca de 250 pessoas com a parceria da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, da Comissão da União Africana, do Banco Africano de Desenvolvimento, do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola e do Banco Mundial.

O objetivo do encontro foi facilitar o engajamento entre os governos e os principais parceiros de desenvolvimento para estimular uma ação unificada para a agricultura e os sistemas alimentares da África em resposta às mudanças climáticas.