ONU recorda Nelson Mandela como “extraordinário defensor global da dignidade e igualdade”

18 julho 2019

Se fosse vivo, ícone da luta contra o apartheid completaria 101 anos; em Dia Internacional de Nelson Mandela, secretário-geral da ONU destaca apelos do ex-líder pela coesão social e pelo fim do racismo.

O secretário-geral da ONU publicou uma mensagem pela passagem do Dia Internacional de Nelson Mandela, marcado este 18 de julho. António Guterres   destaca a homenagem a quem chama de “extraordinário defensor global da dignidade e igualdade, e um dos líderes mais emblemáticos e inspiradores do nosso tempo”.

Se estivesse vivo, o ex-presidente da África do Sul e ícone da luta contra o apartheid completaria 101 anos nesta quinta-feira.

Conflitos

A comemoração do Dia Internacional de Nelson Mandela foi proclamada há uma década pela Assembleia Geral da ONU. O objetivo é celebrar a proteção dos direitos humanos, a igualdade entre raças e etnias, a resolução dos conflitos entre povos e a integridade da humanidade.

Acompanhe, em vídeo, as declarações da viúva de Nelson Mandela. Graça Machel participou no evento que marcou os 100 anos do ex-presidente na ONU em 2018 . 

Cidadãos e grupos são incentivados a realizar jornadas de trabalho voluntário  “fazendo a diferença em suas comunidades para mudar o mundo para melhor”.

A mensagem chefe da ONU sublinha que Nelson Mandela “exemplificou coragem, compaixão e compromisso com a liberdade, paz e justiça social”. Guterres realça ainda que “ele viveu por esses princípios e estava preparado para sacrificar sua liberdade e até mesmo sua vida por eles.”

O secretário-geral afirmou que os apelos de Nelson Mandela pela coesão social e pelo fim do racismo são particularmente relevantes hoje, quando “o discurso do ódio lança uma sombra crescente em todo o mundo”.

Direitos Humanos

Para Guterres, enquanto de trabalha coletivamente pela paz, estabilidade, desenvolvimento sustentável e direitos humanos para todos, seria melhor recordar o exemplo dado por Nelson Mandela.

A mensagem sublinha que o melhor tributo ao ex-líder é demonstrado por ações. O chefe da ONU destaca ainda que a mensagem de Nelson Mandela para o mundo é clara que “cada um de nós pode se impor e agir por mudanças duradouras. Todos nós temos o dever de fazê-lo”, sublinha.

No dia de reflexão sobre a vida e obra de Nelson Mandela, o apelo do chefe da ONU é que o mundo abrace o legado do ex-presidente sul-africano bem como a aspiração de seguir o exemplo dado por ele.

Primeiro presidente da África do Sul livre e democrática, Nelson Rolihlahla Mandela morreu em 201 com 95 anos, e 20 anos após receber o Prêmio Nobel da Paz.

UN / E. Debebe
Encontro entre o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, e o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela em Houghton, Johanesburgo, em março de 2006.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Graça Machel lembra legado de Nelson Mandela

Nações Unidas inauguraram estátua de Mandela na sede em Nova Iorque; homenagem ao antigo presidente da África do Sul contou com presença da sua viúva, do secretário-geral e de líderes globais.

Autos do julgamento de Mandela viram património documental da Unesco

Os autos do julgamento dos líderes do Congresso Nacional Africano, CNA, foram nomeados Património Documental da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco.