Agência da ONU que combate drogas e crime dedica maior atenção a Moçambique
BR

16 julho 2019

Medida pretende confrontar questões como trânsito da heroína, tráfico de recursos naturais e ação de grupos terroristas; ocorrência desses fenômenos impulsiona aumento da cooperação com o governo para rápida implementação da resposta.

Moçambique tem tido cada vez maior atenção de esforços de combate à crescente ameaça do comércio ilícito na costa da África Oriental, declarou o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc.

Em nota, emitida em Viena, a agência  da ONU aponta questões como o trânsito da heroína da Ásia Ocidental pela região, e a partida, dos portos moçambicanos, de recursos como marfim e madeira com destino aos mercados asiáticos.

Economias

A África Austral é considerada um polo crescente deste fenômeno, cujas consequências são consideradas “terríveis para as economias frágeis”.

Recentemente, o Unodc nomeou um representante da agência no país. César Guedes disse que até “os poderosos ciclones tropicais são aproveitados por grupos terroristas e de crime organizado para o comércio ilícito ou recrutamento de pessoas desesperadas que estão em busca de compensar as suas perdas”.

O novo representante destacou ainda que houve um agravamento da situação de segurança no norte de Moçambique, especialmente na província de Cabo Delgado. A intensidade da ação dos chamados grupos terroristas aumentou desde janeiro. Mais de 10 pessoas foram mortas na região, somente em junho.

O diretor executivo do Unodc, Yuri Fedotov, identificou Moçambique como um país prioritário para a rápida implementação da resposta a estes desafios que ameaçam a paz, a estabilidade e a segurança no país e na região.

Ocha / Saviano Abreu
A cidade de Macomia, em Cabo Delgado foi fortemente afetada pelo ciclone Kenneth no dia 25 de abril. Muitas comunidades foram completamente destruídas.

Perícia

Para liderar os esforços de combate a estes desafios, Guedes deverá liderar a assistência em áreas como perícia e outras.

Em abril de 2019, a agência das Nações Unidas capacitou pessoal moçambicano para melhor controlar cargas em portos marítimos e aéreos.

Em breve, Moçambique deve criar a Força de Interdição Conjunta de Aeroportos para aumentar a capacidade do Aeroporto Internacional de Maputo para detectar e interceptar drogas, bens ilícitos e “passageiros de alto risco, incluindo terroristas e combatentes estrangeiros”.

Cooperação

O chefe do Escritório Central de Prevenção e Controle de Drogas de Moçambique, Pedro Comissário, saudou os esforços e a presença do Unodc no país e reafirmou a forte disposição das autoridades para aumentar a cooperação no futuro.

Na semana passada, o secretário-geral das Nações Unidas visitou uma parte da região afetada pelo ciclone Idai, no centro. Durante a visita, António Guterres disse que a organização não pouparia os esforços para apoiar Moçambique na abordagem dos desafios atuais.

O chefe da ONU destacou ainda que as atividades de auxilio não devem ser somente para a frente de emergência, mas também em prol de um caminho mais resiliente para promover avanços nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Chefe da ONU vive “força” do povo moçambicano em área atingida por ciclone

António Guterres fecha visita a Moçambique após interagir com crianças em salas de aula sem teto, mulheres cultivando sem ferramentas e pessoas que não podem ver, ouvir ou falar; sobreviventes relataram episódios de destruição e esperança.

Portugal vai rever práticas militares em emergências após atuar em Moçambique

Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas portuguesas revela lições tiradas pelos militares do país no socorro às vítimas do ciclone Idai; militares portugueses deixam completamente o território moçambicano esta semana.