Unfpa aponta maior queda de fecundidade em brasileiras mais vulneráveis
BR

12 julho 2019

Relatório indica que o Brasil passou por uma acelerada queda de fecundidade nas últimas décadas, chegando a uma média atual de 1,7 filho por mulher; taxa caiu de forma considerável entre mulheres em situação de fragilidade, incluindo mais pobres e negras.

O Brasil passou por uma acelerada queda de fecundidade nas últimas décadas, chegando a uma média atual de 1,7 filho por mulher. A taxa caiu de forma considerável entre as mais vulneráveis, grupo que compreende as mulheres mais pobres e negras.

A constatação faz parte do levantamento “Fecundidade e Dinâmica da População Brasileira” publicado esta semana. O estudo elaborado pelo Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, busca traçar um retrato populacional e de desenvolvimento do país.

Taxas

Conforme mostra o documento, entre as mulheres que integram os 20% mais pobres da população, a taxa de fecundidade caiu de 3,92 por mulher, em 2001, para 2,90 em 2015, o que corresponde a quase um filho a menos.

Em comparação, entre as 20% mais ricas, a queda foi de 1,41 para 0,77.

O cenário é parecido quando levada em consideração a raça/cor. Entre as mulheres negras, a taxa de fecundidade caiu de 2,75 em 2001 para 1,88 em 2015.

As mulheres pardas, que em 2001 tinham em média 2,65 filhos, apresentaram média de 1,96 em 2015. No mesmo período analisado, a mulher branca, que tinha 2,10 filhos, em média, passou a ter 1,69.

Métodos Contraceptivos

Os dados demonstram que um maior acesso a serviços e informações sobre métodos contraceptivos, em larga escala, foi fundamental para que todas as mulheres, inclusive negras e pobres, conseguissem planejar melhor suas famílias.

Para o Unfpa, esse é um fator importante no empoderamento e engajamento na vida produtiva.

O representante da agência da ONU no Brasil, Jaime Nadal, explica que tudo isso reflete as mudanças socioeconômicas que o país atravessou, além de importantes avanços na garantia do acesso à saúde sexual, reprodutiva e direitos.

Para Nadal, “alguns dos fatores responsáveis por isso são a melhoria no acesso a serviços em saúde sexual e reprodutiva, além do acesso à informação e ao sistema de saúde de uma maneira geral.”

Ele acredita que “no Brasil, o Sistema Único de Saúde, SUS, é um grande responsável pela melhoria no acesso a contraceptivos e a informações” e que além disso, “é importante destacar que a melhoria nos índices socioeconômicos também vem resultando em melhoria para esses indicadores.”

Informação

O Brasil tem atualmente uma taxa de prevalência de uso de contraceptivos equivalente a 77%. Há 25 anos, em 1969, apenas 35% das mulheres casadas ou em algum tipo de união utilizavam algum método para postergar ou evitar a gravidez, o que comprova, na prática, as mudanças vistas nas configurações familiares de todo o país.

O representante do Unfpa ressalta ser necessário continuar investindo em serviços de qualidade e informação para que mais mulheres possam ter exatamente o número de filhos que desejam e para que não haja demandas não satisfeitas em contracepção, nem desigualdades associadas às taxas de fecundidade.

A publicação foi feita com base em informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Ibge, como a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios e o Censo Demográfico de 2010.

Unfpa

O Unfpa é a agência de desenvolvimento internacional da ONU que trata de questões populacionais. Desde sua criação, tem sido um ator-chave nos programas de desenvolvimento populacional.

Os principais objetivos da agência, desde então, são ampliar as possibilidades de mulheres e jovens levarem uma vida sexual e reprodutiva saudável, acelerar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva, incluindo o planejamento familiar voluntário e a maternidade segura.

Outras metas são a busca da efetivação dos direitos e de oportunidades para as pessoas jovens.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU: Brasil tem a segunda maior taxa de homicídios da América do Sul

Timor-Leste ocupou posição similar no Sudeste Asiático em 2017; estudo aponta que número de pessoas assassinadas está 80% acima dos mortos em conflitos armados; mulheres são mais frequentemente assassinadas por familiares e parceiros íntimos.

Brasileira que ganhou prêmio da ONU treinará integrantes de tropas internacionais

Ex-boina azul foi reconhecida por promover igualdade de gênero em missões de paz das Nações Unidas; com a experiência, ela percorre o mundo em eventos dentro e fora da organização.