Angola, União Africana e Unesco lançam evento pan-africano sobre cultura de paz

8 julho 2019

Em setembro, Bienal de Luanda promoverá reflexão sobre compromissos com a paz e o desenvolvimento sustentável; para agência da ONU, criar uma cultura de paz é essencial para construir sociedades fortes e inclusivas.

Angola passa a acolher a partir deste ano centenas de participantes de vários setores na primeira edição da Bienal de Luanda - Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz.

A realização do evento, entre os dias 18 e 22 de setembro, envolve a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, a União Africana e o governo angolano.

Bienal de Luanda terá um fórum de ideias, um fórum da juventude, um festival da cultura e paz para o desporto para as populações locais. Foto: Acnur/ Omotola Akindipe

Cultura de Paz

Falando à ONU News, de Paris, o diretor da Divisão de Informação da Unesco, Vincent Defourny, explicou como a série de encontros terá impacto em vários setores do continente.

“É uma cooperação entre o governo angolano, a União Africana e a Unesco. Estamos a preparar este evento para ser um encontro regular, que em dois anos permita uma reflexão sobre a criação de uma cultura de paz. Mas é uma forma muito concreta e operacional, através de uma gestão dos recursos naturais, do conhecimento da história africana. Não só de forma intelectual, mas também de forma artística, desportiva e cultural no sentido amplo.”

Os participantes na bienal incluem jovens, instituições culturais, artistas, cientistas, políticos, parceiros económicos e a sociedade civil para refletir sobre os compromissos com a paz e o desenvolvimento sustentável no continente africano.

A ideia é que com o início da Bienal de Luanda passem a ser organizadas ações dedicadas à cultura de paz sustentável em África.

Ideias

“Mobilizar a comunidade angolana, mas não somente a angolana. Catorze países africanos e a diáspora estarão presentes. Estes apresentarão também suas iniciativas e projetos, sua forma de pensar para a concretização desta cultura da paz. Assim será a ideia da bienal de Luanda. Vai ter um fórum de ideias, um fórum da juventude, um festival da cultura e paz para o desporto para as populações locais e vamos trazer parcerias de cultura da paz para África.”

A presença de parceiros do movimento pan-africano deve ser aproveitada para debater o futuro do continente, avaliar projetos e iniciativas para apoiar toda a região.

A Unesco vê a Bienal de Luanda como uma oportunidade para que os próprios africanos possam “moldar a África do futuro”.

Tecnologias

“Uma identidade africana global, que envolve todos os africanos do continente mas também das diáspora, os refugiados e as migrações, juventude na paz e na segurança, a prevenção da violência e de conflitos através da educação e da cultura, a prevenção dos conflitos através de uma prevenção razoável dos recursos naturais, criatividade e o espírito empresarial e de inovação para levar à cultura da paz e o papel das mulheres que vai ser particularmente importante e a promoção de cultura de paz através da media e das tecnologias de informação e de comunicação.”

Para a Unesco, criar uma cultura de paz nas mentes de homens e mulheres africanos “é essencial para construir sociedades fortes e inclusivas que são cruciais para a construção de um futuro sustentável” para toda a região.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Angola e outros 47 países mantêm restrições de viagem relacionadas com HIV

Agências da ONU pedem fim da medida; Pelo menos 30 Estados ainda impõem proibições à entrada ou permanência e residência de pessoas com HIV; outros 19 deportam não-nacionais com base em seu status ou podem exigir teste para um estudo, trabalho ou visto.

Angola e parceiros internacionais vão aplicar US$ 260 milhões em ações conjuntas até 2022

Prioridades do novo Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável foram adotadas em Luanda; coordenador residente da ONU diz que jovens podem dinamizar economia inclusiva.