Quatro resgatados em naufrágio com mais de 80 passageiros no Mediterrâneo
BR

5 julho 2019

Sobreviventes levados para a Tunísia têm sinais de trauma e estão em estado de choque; OIM apura o que aconteceu e quantas pessoas desapareceram no incidente; agência estima que 426 pessoas se afogaram tentando atravessar o Mediterrâneo Central este ano.

A Organização Internacional para Migrações, OIM, receia que mais de 80 migrantes tenham morrido em naufrágio de um barco que aconteceu esta semana na costa mediterrânica da Tunísia. 

Nesta sexta-feira, a agência confirmou o resgate de quatro sobreviventes que depois foram levados para a Tunísia. Um deles era cidadão marfinense de 29 anos, que morreu de hipotermia no hospital na manhã de quinta-feira.

De acordo com a OIM, pelo menos 426 pessoas se afogaram tentando atravessar a rota do Mediterrâneo central em 2019. Foto: Acnur/Hereward Holland

Atualizações

Todos os que foram resgatados eram do sexo masculino. A embarcação transportava um total de 86 passageiros incluindo mulheres e crianças. De acordo com a OIM, “mais atualizações serão necessárias para confirmar o que sucedeu e qual era o número real de desaparecidos”.

O grupo de sobreviventes contou que embarcou na área de Zwara, na Líbia, na segunda-feira. Algumas horas depois, o barco começou a encher de água, o que provocou confusão e movimentos frenéticos das dezenas de passageiros que estavam a bordo.

Depois de cerca de 40 horas na água, os ocupantes foram vistos por pescadores que alertaram à Guarda Costeira da Tunísia. As autoridades levaram os sobreviventes até a área de Zarzis.

Quatro mulheres e duas crianças estavam entre os passageiros quando o barco saiu da área de Zwara, na Líbia, no princípio da noite. Uma das mulheres estava grávida, duas viajavam com pelo menos um menor e outras crianças desacompanhadas seguiam no grupo.

Passageiros

Os sobreviventes disseram que entre os passageiros estaria um egípcio, um gambiano e vários outros do Mali, da Guiné-Conacri e da Cote d’Ivoire, conhecida por Costa do Marfim.

Entre 10 e 11 de maio foram resgatadas duas embarcações superlotadas que deixaram a área líbia de Zwara ao mesmo tempo. Em uma delas, 59 pessoas desapareceram e 16 foram resgatadas. Na segunda, todos os 69 ocupantes foram salvos.

De acordo com a OIM, pelo menos 426 pessoas se afogaram tentando atravessar a rota do Mediterrâneo central. Cerca de 3.750 foram devolvidas a locais de detenção sistemática e arbitrária onde “continuam em situação de risco devido aos confrontos que acontecem na capital da Líbia, Trípoli”.

A chefe do Escritório da OIM na Tunísia, Lorena Lando, disse que entre os sobreviventes desta semana, dois estão hospitalizados e um se encontra em um abrigo dirigido pelo Crescente Vermelho da Tunísia.

Acnur/Hereward Holland
Estima-se que 2.275 pessoas tenham morrido ou desaparecido atravessando o mediterrâneo em 2018.

Necessidades

Lando disse que a agência continua em contato com todos eles, que supostamente são cidadãos do Mali, porque parecem estar em estado de choque e traumatizados.

Em parceria com o Crescente Vermelho, a OIM ofereceu artigos básicos e apoio psicológico.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU: ataque fatal a centro de migrantes na Líbia “pode ser considerado um crime de guerra”

Pelo menos 44 pessoas morreram e 130 pessoas ficaram gravemente feridas no ato ocorrido em complexo situado no leste da capital Trípoli; Centro de Detenção de Tajoura acolhe cerca de 600 migrantes.

Acnur precisa de US$ 210 milhões para ajudar e proteger milhares de refugiados de África

Nova iniciativa pretende evitar que pessoas caiam nas mãos de traficantes ou contrabandistas; agência aponta aumento de pessoas sofrendo de problemas de saúde “extremamente precária” e trauma psicológico.