Após encontro entre líderes dos EUA e da Coreia do Norte, Guterres expressa apoio às relações para a paz sustentável
BR

1 julho 2019

Chefe da ONU disse apoiar  plenamente os esforços contínuos das partes; imagens de aperto de mãos entre Trump e Kim Jong-un rodaram o mundo.

O secretário-geral da ONU saudou as reuniões envolvendo os líderes da Coreia e dos Estados Unidos em Panmunjom, particularmente o anúncio de que a Coreia do Norte e os Estados Unidos retomarão o diálogo em grupos de trabalho.

As declarações de António Guterres seguem-se ao encontro de domingo entre  o presidente norte-americano Donald Trump, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na zona desmilitarizada na fronteira entre as Coreias.

Secretário-geral saudou as reuniões envolvendo os líderes da Coreias e dos Estados Unidos. Foto ONU/ Manuel Elias

Breve Momento

Na área fronteiriça de Panmunjom, Trump entrou por um breve momento em território da Coreia do Norte.

As imagens de aperto de mãos entre Trump e Kim Jong-un rodaram o mundo e nessa ocasião o líder norte-coreano destacou que “era a primeira vez que um presidente dos Estados Unidos visitava a Coreia do Norte”. 

António Guterres disse apoiar  plenamente os esforços contínuos das partes para estabelecer novas relações para a paz sustentável, segurança, desnuclearização completa e verificável da Península Coreana.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

“Desajuste climático acontece agora e para todos”, diz Guterres em Abu Dhabi

Secretário-geral menciona aumento de frequência de eventos como inundações, secas, ondas de calor, incêndios e grandes tempestades; Guterres alerta que ação climática global ainda não é suficiente para travar o fenômeno.

Norte-coreanos enfrentam “violações de direitos humanos e incertezas no ambiente jurídico”

Escritório de Direitos Humanos compilou relatos de 214 pessoas que fugiram do país entre 2017 e 2018; documento recomenda revisão do Código Penal e respeito ao direito à liberdade de movimento no interior e fora das fronteias.