Acnur precisa de US$ 210 milhões para ajudar e proteger milhares de refugiados de África
BR

26 junho 2019

Nova iniciativa pretende evitar que pessoas caiam nas mãos de traficantes ou contrabandistas; agência aponta aumento de pessoas sofrendo de problemas de saúde “extremamente precária” e trauma psicológico.

A Agência de Refugiados da ONU, Acnur, precisa de US$ 210 milhões para ajudar e proteger milhares de refugiados e outras pessoas que todos os anos viajam pelas regiões do norte de África Subsaariana.

Em pesquisa lançada esta quarta-feira em Genebra, a agência destaca que muitas delas sofrem nas mãos de traficantes ou contrabandistas e acabam sujeitas a terríveis abusos de direitos humanos.

Acnur calcula que mais de 500 pessoas morreram ou desapareceram no mar Mediterrâneo Central e Ocidental em 2019. Foto: Acnur/Hereward Holland

Contrabando

A agência calcula que pelo menos 507 pessoas morreram ou desapareceram no mar Mediterrâneo Central e Ocidental em 2019. Não é conhecido o número de pessoas que perdem a vida em rotas de contrabando e de tráfico antes de chegar ao mar, mas estima-se que seja “ainda maior”.

Os sobreviventes enfrentam abusos de direitos humanos em sua jornada desde a África Subsaariana até o norte da África, incluindo tortura, espancamentos, extorsão e escravidão forçada.

De acordo com a agência, mulheres e meninas, em particular, estão em risco de estupro e agressão sexual. Algumas dessas vítimas sofrem nas mãos de contrabandistas e traficantes há mais de um ano.

Contrabandistas

O Acnur quer criar um programa abrangente para evitar que as pessoas caiam nas mãos destes criminosos. A iniciativa também deve fornecer alternativas para viagens perigosas nos primeiros países de asilo e oferecer ajuda humanitária aos sobreviventes de violações de direitos humanos.

O apelo da agência é que os Estados resolvam o que se considera uma “lacuna perigosa na capacidade de resgate marítimo no Mediterrâneo”, e façam mais para desmantelar as redes de contrabando e tráfico.

O Acnur pede ainda que sejam responsabilizados os autores desses crimes através de mecanismos legais disponíveis.

Para enviado especial do Acnur para o Mediterrâneo Central, Vincent Cochetel, perante um cenário com mais de 15 conflitos no continente africano, milhares de pessoas continuarão se movimentando com expectativas muitas vezes irrealistas e mal informadas., by Acnur

Para os refugiados, a agência sugere que haja mais esforços para desenvolver vias complementares para que estes encontrem soluções, incluindo “através de um acesso mais eficaz aos procedimentos de reagrupamento familiar”.

Expectativas

O enviado especial do Acnur para o Mediterrâneo Central disse que perante um cenário com mais de 15 conflitos no continente africano, milhares de pessoas continuarão se movimentando com expectativas muitas vezes irrealistas e mal informadas.

Para Vincent Cochetel, estas pessoas “enfrentam grave perigo e até a morte nas mãos de contrabandistas e traficantes”. Por isso, é preciso fazer mais para evitar que um maior número dessas pessoas caia nas mãos daqueles que buscam “lucrar com a vulnerabilidade e o desespero”.

O Acnur aponta para o aumento do número de pessoas sofrendo de problemas de saúde “extremamente precária” e de trauma psicológico.

Como resultado dessa situação, muitas pessoas que viajaram pela rota podem precisar de outras formas de proteção humanitária, porque não poderiam qualificar para adquirir o estatuto de refugiado.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU reforça apelo por mais apoio a milhões de refugiados palestinos

Reunião na Assembleia Geral destacou déficit de US$ 211 milhões em fundos para oferta de serviços ao grupo; Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos economizou US$ 500 milhões com redução de custos

Professores despreparados para lidarem com estudantes migrantes e refugiados traumatizados

Novo documento da Unesco aborda o desafio educacional do trauma, condição vivenciada por algumas destas crianças; na ausência de centros de saúde, escolas geralmente desempenham papel fundamental na restauração de senso de estabilidade.