Angola e parceiros internacionais vão aplicar US$ 260 milhões em ações conjuntas até 2022

20 junho 2019

Prioridades do novo Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável foram adotadas em Luanda; coordenador residente da ONU diz que jovens podem dinamizar economia inclusiva.

Angola abriu a semana com a aprovação das prioridades para o trabalho das Nações Unidas e seus parceiros no país durante os próximos três anos.

Mais de US$ 260 milhões serão aplicados nas atividades do novo Quadro de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável 2020-2022, que foi endossado em Luanda.

O ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, ladeado pelo secretário de Estado das Relações Exteriores para a Cooperação Internacional, Domingos Lopes, e do Coordenador Residente da ONU em Angola, Paolo Balladelli. Foto: ONU Angola

Resiliência

Falando à ONU News, da capital angolana, o coordenador residente das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, disse que a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável inspirou a definição das quatro prioridades.

“A primeira cria inclusão entre economia inclusiva e serviços sociais também pensando nas autarquias, que agora vão ser impulsionadas no âmbito das eleições de 2020. Temos também uma segunda área sobre jovens e mulheres. Os jovens neste momento são 70% da população angolana e podem também criar as dinâmicas de economia inclusiva, que permitiria o país sair da sua condição.”

As novas prioridades também incluem promover a resiliência e a proteção do meio ambiente, da democracia e da estabilidade no país.

A apresentação do plano foi liderada pelo ministro de Economia e Planeamento de Angola, Pedro Luís da Fonseca, em cerimónia em que dezenas de parceiros encerraram a etapa de reflexão que identificou as metas das atividades conjuntas.

Acnur/O. Akindipe
Alinhamento das áreas prioritárias do Quadro de Colaboração 2020-2022 com os ODS e os eixos do PDN.

Desenvolvimento

“Foi um processo muito inclusivo porque participou o governo, participou a sociedade civil, o setor privado, a academia e obviamente as agências do Sistema das Nações Unidas. Oitenta e cinco entidades trabalharam durante quatro meses para definir quais são as prioridades, como é que o país pode sair da pobreza e criar os pressupostos para um desenvolvimento inclusivo, onde os ODSs, da Agenda 2030, sejam realmente no centro do desenvolvimento.”

A fase de definição do quadro de parceria envolveu 21 agências da ONU e foram consideradas as “tendências de desenvolvimento, os potenciais riscos, os aceleradores de mudança e as vantagens comparativas da ONU”.

De acordo com as Nações Unidas em Angola, nesse processo também foram definidos os resultados, os produtos e os indicadores de seguimento dessas prioridades durante o próximo triénio.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Seca afeta 2,3 milhões de pessoas no sul de Angola

ONU disponibiliza US$ 6,4 milhões para ajuda humanitária; impacto severo da seca na região tem agravado os meios de subsistência da população.

Embaixadora de Angola comenta a situação dos refugiados na África

A embaixadora de Angola junto às Nações Unidas, defende o apoio ao acolhimento de refugiados africanos pelo mundo. Maria de Jesus Ferreira participou da Série de Diálogos sobre África na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. A representante cita exemplos de Moçambique e Namíbia para defender a inclusão de deslocados. Angola acolhe 70 mil refugiados e candidatos a asilo.