Passar para o conteúdo principal

ONU destaca importância de sangue seguro para todos em dia mundial

Jovem doadora de sangue na Mongólia
OMS Mongólia
Jovem doadora de sangue na Mongólia

ONU destaca importância de sangue seguro para todos em dia mundial

Saúde

Esta sexta-feira, 14 de junho, é o Dia Mundial do Doador de Sangue; Ruanda é país anfitrião em 2019; todos os países devem obter quantidades de sangue necessárias através de doadores voluntários não remunerados até 2020.

Em 2019, no Dia Mundial do Doador de Sangue, a ONU destaca a doação de sangue e o acesso universal e seguro à transfusão de sangue como parte da cobertura universal de saúde.

Marcado esta sexta-feira, 14 de junho, o dia tem o lema “Sangue seguro para todos”. O objetivo é aumentar a consciência sobre esta necessidade na prestação de cuidados de saúde e o papel crucial das doações voluntárias.

Campanha

Tweet URL

A campanha pretende encorajar mais pessoas para que se tornem doadoras e contribuam de forma regular. Segundo a ONU, isso é fundamental “para construir uma base sólida de fornecimento de sangue sustentável suficiente para atender às necessidades de todos os pacientes.”

O tema também é um apelo à ação de governos, autoridades nacionais e serviços nacionais. A ONU afirma que é preciso fornecer recursos adequados e implementar sistemas para aumentar a coleta, fornecer cuidados aos doadores, promover o uso clínico apropriado do sangue, e estabelecer sistemas para a supervisão e vigilância de toda a cadeia de transfusão.

Ruanda

Esse ano, o anfitrião dos eventos do Dia Mundial é o Ruanda. O evento global acontece na cidade de Kigali, esta sexta-feira.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, OMS, uma nova tecnologia está salvando vidas nas áreas rurais do país. Nas últimas duas décadas, o Ruanda criou um serviço nacional de sangue de alta qualidade, triplicando as taxas de doação de sangue entre 2000 e 2018.

Hoje, o Centro Nacional de Transfusão de Sangue fornece sangue e produtos sanguíneos seguros para todos os pacientes necessitados. Isto é conseguido através de 541 locais de coleta móveis permanentes e cinco centros de distribuição regionais que servem 66 transfusões de unidades de saúde.

O uso de tecnologia inovadora, como drones, para fornecer sangue rapidamente aos necessitados tem sido um fator chave no sucesso do serviço.

No país, um dos principais desafios é o terreno, que inclui grandes montanhas difíceis de atravessar, e estradas danificadas. As autoridades estão usando uma tecnologia de drone chamada "Zipline", que reduz o tempo de entrega de sangue de quatro horas para apenas 15 minutos em alguns casos.

A ministra da Saúde do Ruanda, Diane Gashumba, disse à OMS que “cada segundo que se ganha ao salvar uma vida é crítico.” Ela afirmou que, quando o governo viu que “a Zipline era uma solução”, não hesitou em implementar a tecnologia.

Importância

Segundo a ONU, a transfusão de sangue e produtos sanguíneos salvam milhões de vidas todos os anos. Embora a necessidade de sangue seja universal, há uma diferença importante no nível de acesso dentro e fora dos países.

Em maio de 2005, durante a 58ª Assembleia Mundial da Saúde, ministros da saúde de todo o mundo fizeram uma declaração unânime de compromisso e apoio para a doação voluntária.

Em 2009, especialistas nesta área, decisores políticos e representantes não-governamentais de 40 países assinaram a Declaração de Melbourne. Segundo o documento, todos os países devem obter as quantidades de sangue necessárias através de doadores voluntários não remunerados até 2020.