Primeira fazenda de coral comercial do mundo abre na ilha Grande Bahama
BR

11 junho 2019

Iniciativa de jovem Campeão da Terra para a América Latina e Caribe busca promover uma restauração mais resiliente dos recifes de corais; previsão é de que até 2050, 90% dos recifes de coral do mundo tenham morrido.

Os recifes de corais estão morrendo em todo o mundo. Segundo o Programa da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma, a previsão é de que até 2050, 90% dos recifes de corais tenham morrido.

Com a intenção de tentar ajudar a reverter este cenário, um jovem Campeão da Terra para a América Latina e Caribe, abriu a primeira fazenda comercial terrestre de corais do mundo na ilha Grande Bahama.

Halpern e o co-fundador Sam Teicher cortam os corais em preparação para a inauguração da fazenda Coral Vita., by WeWork

Restauração

Gator Halpern, que também é cofundador da Coral Vita, busca promover uma restauração mais resiliente dos recifes de corais. A iniciativa usa tecnologia de ponta de micro fragmentação   , que consegue fazer com que os corais cresçam 50 vezes mais rápido do que o ritmo normal, acelerando a restauração dos recifes em meses, ao invés de décadas.

O processo também aumenta a diversidade de espécies, enquanto reforça a resiliência dos corais para lidar com as ameaças causadas pelo aquecimento global, como o aumento da temperatura oceânica e a acidez.

Bahamas

A cada ano, as Bahamas recebem mais de 6 milhões de visitantes em suas ilhas. A ideia é fazer com que a fazenda se torne um importante centro de educação, ensinando as comunidades sobre a necessidade de restaurar os recifes de corais que estão morrendo.

Localizada em Freeport, na ilha Grande Bahama, a fazenda foi inaugurada oficialmente em 31 de maio. Na ocasião, o vice-primeiro-ministro, Peter Turnquest, destacou que "a menos que os países ao redor do mundo tomem medidas sérias e deliberadas, em menos de uma geração, os recifes que ajudam a alimentar o peixe e mariscos que acabam em nossas mesas de jantar podem ter desaparecido."

Fazenda

A fazenda pretende restaurar os recifes de corais da ilha, apresentados no filme "Chasing Coral" da Netflix. Ao trabalhar em conjunto com cientistas, comunidades, produtores de corais, empresas, investidores e governos, a iniciativa também pretende fornecer projetos de restauração com corais mais resistentes.

Halpern disse estar “muito animado em trabalhar com a comunidade de Grande Bahama para trazer os recifes da ilha de volta à vida.”

O representante acredita que a “fazenda também será um centro de educação para estudantes locais e turistas, onde os hóspedes poderão aprender sobre a importância de manter os corais vivos e ajudar a restaurar e revitalizar os ecossistemas que sustentam a todos.”

Confira mais informações sobre o projeto neste vídeo sobre a iniciativa (em inglês). 

Futuro

Já o especialista em ecossistemas marinhos e costeiros do Pnuma, Gabriel Grimsditch, lembrou que o “futuro dos recifes de corais está ameaçado, ameaçando mais de um milhão de espécies marinhas e centenas de milhões de pessoas costeiras que dependem deles para alimentos, meios de subsistência e proteção costeira.”

Grimsditch apontou que é preciso urgentemente “abordar os principais impulsionadores da degradação dos recifes de coral, incluindo as emissões de gases de efeito estufa, a poluição e a pesca destrutiva.”

O representante destacou ainda que ao mesmo tempo, “a comunidade de recifes de coral está avançando na eficácia e escalabilidade da restauração de recifes de corais, e isso pode ser uma parte necessária da equação se quisermos recifes de coral em funcionamento no futuro”.

A Coral Vita é uma empresa de restauração de recifes que cultiva corais resilientes para restaurar recifes ameaçados.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Sem mudanças significativas, mais da metade das espécies marinhas podem ser extintas até 2100

Programa da ONU para o Meio Ambiente diz que uma catástrofe ecológica e financeira está se desenvolvendo lentamente; pesca fornece empregos para 260 milhões de pessoas, quase metade delas mulheres.

Projeto na Malásia aplica tecnologia para detectar pesca com bomba

Segundo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente prática ilegal destrói corais e é extremamente perigosa; falha em lidar com essa técnica exacerba a pobreza e transforma um problema ambiental em um risco de segurança.