Na Rússia, Guterres alerta para implicações do abrandamento económico e da mudança climática

6 junho 2019

Secretário-geral identifica desafios para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável; Guterres lembrou a importância do multilateralismo em fórum económico que decorre em São Petersburgo.

O secretário-geral da ONU, considerou que a globalização e o progresso tecnológico das últimas décadas “aumentaram enormemente a riqueza global.”

Em intervenção no Fórum Económico Internacional de São Petersburgo, na Rússia,  António Guterres alertou que a “mesma globalização e o mesmo progresso tecnológico aumentaram dramaticamente as desigualdades no mundo e deixaram pessoas, regiões, setores e áreas para trás.”

Agenda 2030

As novas tecnologias, a chamada quarta revolução industrial é outra ameaça que para Guterres terá impactos muito significativos, “especialmente no mercado de trabalho”. , ITU/D. Procofieff

Para Guterres, essa realidade gera “um enorme mal-estar” que tem como consequência “uma enorme quebra de confiança” entre as pessoas, as instituições políticas e as organizações internacionais.

O representante explicou que a ONU, em conjunto com todos os Estados-membros, definiu a Agenda 2030 que pretende aproveitar o progresso tecnológico e a globalização para erradicar a pobreza, eliminar a fome, avançar na educação, na saúde e ainda no ambiente, entre  outros aspetos.

O secretário-geral reconhece que estes são objetivos “muito ambiciosos” e que há um atraso para os alcançar.

Tecnologia

Para Guterres a desaceleração do crescimento económico é um dos obstáculos para “a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs”. Ele  explicou que os “conflitos comerciais” e os “conflitos relacionados com a tecnologia” contribuem para a volatilidade dos mercados.

Para além disso, o líder da ONU identificou a mudança climática como uma outra “grande ameaça” para todos.

As novas tecnologias, a chamada quarta revolução industrial é outra ameaça que para Guterres terá impactos muito significativos, “especialmente no mercado de trabalho”. A previsão é que haverá simultaneamente “uma criação significativa de uns empregos e a destruição massiva de outros”, sendo por isso “necessário repensar os sistemas educacionais.”

China

Questionado pelos participantes sobre se é mais importante retirar pessoas da pobreza ou promover direitos humanos, Guterres explicou que “tirar as pessoas da pobreza é um direito humano básico.”

Lembrando que esss princípio são mais do que “apenas sobre direitos políticos e civis” o líder da ONU enfatizou “que a conquista mais notável em relação à erradicação da pobreza no mundo foi feita pela China nas últimas décadas.”

Enaltecendo o plano do governo chinês de erradicar totalmente a pobreza absoluta na China até 2020, Guterres afirmou também que discorda com alguns aspetos relativos à questão de direitos humanos naquele país.

Multilateralismo

O chefe da ONU enfatizou ainda a importância do multilateralismo, rejeitando a ideia de que “as relações internacionais estejam reduzidas a um confronto entre os Estados Unidos e a China” ou de uma “nova Guerra Fria entre os Estados Unidos e a China”.

Para Guterres é necessário “um mundo multipolar em que os Estados Unidos, a China, a Federação Russa, a Índia, a União Europeia e vários outros parceiros-chave sejam capazes de resolver os seus problemas de uma forma multilateral”.

O secretário-geral mencionou a multipolarização da Europa antes da Primeira Guerra Mundial, ao sublinhar a importância de um “mundo multipolar” com todos esses atores a desempenhar um papel relevante nos assuntos mundiais.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Secretário-geral apresenta plano sobre finanças da organização

António Guterres fez discurso no Quinto Comitê da ONU sobre situação financeira das Nações Unidas; chefe da ONU apresentou conclusões de relatório para resolver problemas de financiamento.

Guterres diz que “não há tempo a perder” em Dia Mundial do Meio Ambiente

Secretário-geral pede ação para proteger o ambiente e disse que esta é a batalha das nossas vidas; tema das celebrações desse ano é poluição do ar; país anfitrião é a China onde projeto de bicicletas é exemplo internacional.