Verão deve ter temperaturas acima da média na maior parte do Ártico BR

De acordo com o estudo, o uso da terra pelos seres humanos afeta diretamente mais de 70% da superfície terrestre global e livre de gelo.
Foto: ONU/Mark Garten
De acordo com o estudo, o uso da terra pelos seres humanos afeta diretamente mais de 70% da superfície terrestre global e livre de gelo.

Verão deve ter temperaturas acima da média na maior parte do Ártico

Clima e Meio Ambiente

Previsão do aquecimento médio anual continua sendo mais que o dobro da média global, com maiores aumentos no inverno; entre 2014 e 2018, temperaturas do ar da superfície na região por ano foram as mais elevadas desde 1900.

As temperaturas médias do ar na superfície devem ficar acima do normal na maior parte das regiões do Ártico entre junho e agosto de 2019.

Segundo o Fórum de Perspectivas Climáticas Pan-Ártico, são esperadas condições que ficarão entre abaixo e o normal do gelo marinho na área, com exceção da Groenlândia e do Ártico canadense.

OMM quer  atenção dos governos aos sistemas de alerta nacional sobre temperaturas.
De acordo com a Organização Meteorológica Mundial, OMM, a realidade das mudanças climáticas e seus impactos levaram à decisão de iniciar previsões sazonais Pan-Árticas. , by Foto: Pnuma

Inverno

As condições previstas para o verão ocorrerão na sequência de meses de inverno em que a temperatura média do ar na superfície foi acima do normal em grande parte do Ártico. A Sibéria Oriental teve os segundos meses mais quentes de novembro, dezembro e janeiro já registrados.

Durante os meses de fevereiro, março e abril, as temperaturas do Ártico ficaram acima do normal. A única exceção foi no leste do Ártico canadense, onde as temperaturas foram abaixo da média.

Entre as principais razões para as anomalias de temperatura, precipitação e gelo marinho da última estação está a circulação atmosférica meridional no Ártico entre novembro de 2018 e janeiro de 2019. Também houve um aumento na tempestividade em partes do Ártico entre fevereiro e abril de 2019.

Aquecimento

O aquecimento médio anual observado e projetado no Ártico continua sendo mais que o dobro da média global, com maiores aumentos no inverno. As temperaturas do ar da superfície anual da região em 2014-2018 excederam as de qualquer ano desde 1900.

No inverno de 2015-2018 os níveis baixos máximos de gelo marinho do Ártico foram recordes. Já o volume de gelo marinho no mês de setembro, que é a sua extensão mínima, diminuiu 75% desde 1979.

Mudanças Climáticas

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial, OMM, a realidade das mudanças climáticas e seus impactos levaram à decisão de iniciar previsões sazonais Pan-Árticas.

Estas estimativas  são baseadas na colaboração através do conhecido processo do Fórum Regional de Perspectivas Climáticas, que foi iniciado pela agência da ONU e já é um mecanismo bem estabelecido na maior parte do mundo.

Previsões sazonais apoiam o gerenciamento de riscos climáticos, a adaptação às mudanças climáticas e informam políticas e tomadas de decisão em setores sensíveis ao clima que operam no desafiador ambiente ártico.

A terceira sessão do Fórum de Perspectivas Climáticas Pan-Ártico foi realizada entre os dias 8 e 9 de maio de 2019 na Finlândia. A meta foi rever as condições climáticas durante a temporada de inverno anterior e fornecer uma perspectiva para a próxima temporada de verão.

Estiveram presentes participantes permanentes do Conselho do Ártico, representantes dos Povos Indígenas do Ártico, cientistas de todos os Estados membros do Conselho do Ártico e partes interessadas.