Mulheres presidem um quarto das empresas do Brasil
BR

23 maio 2019

Estudo da OIT mostra que 71% das empresas inquiridas tiveram mais lucros graças ao reforço do número de mulheres; apenas 16,4% tem conselho de administração com representação de género equilibrada.

Um estudo feito pela Organização Internacional do Trabalho, OIT, concluiu que um quarto das empresas brasileiras têm uma mulher na liderança.

A agência inquiriu 451 empresas do Brasil no âmbito de um relatório global sobre a representação feminina em cargos superiores nas empresas.

A pesquisa mostra que 69% das estruturas empresariais têm políticas de igualdade, de diversidade e de inclusão no trabalho.

As três principais áreas em que a diversidade de género é promovida são no recrutamento, na retenção e promoção, na remuneração e na licença de maternidade.

Lucros

Mais de 71% das empresas relataram que iniciativas sobre diversidade e igualdade de género melhoraram os seus resultados.

Este inquérito feito às empresas brasileiras faz parte de relatório global da OIT que contou com a participação de13 mil empresas em 70 países.ONU Mulheres/Joe Saade

Segundo a OIT, das empresas que reportaram crescimento dos lucros devido à diversidade de género, 29% afirmaram ter um aumento dos lucros entre 10% e 15% e 26,2% relataram uma subida entre os 5% e os 10%

Participação

Em relação à participação das mulheres na gestão e nos conselhos de administração, 25,3% das empresas partilharam que têm uma mulher como presidente do conselho de administração.

Por outro lado, 16,4% das entidades inquiridas afirmaram ter um conselho de administração com uma composição de géneros equilibrada.

No entanto, 5,2% das empresas reportaram um conselho exclusivamente masculino enquanto que apenas 3,9% têm um conselho maioritariamente feminino.

Presença

O estudo da OIT mostra ainda a evolução da taxa de presença das mulheres no mercado de trabalho brasileiro entre 1991 e 2018.

No inico da década de 90, apenas 43% das mulheres brasileiras trabalhavam enquanto que, em 2018, mais de metade delas, 53%, tinham um posto de trabalho.

Ainda segundo a OIT houve uma evolução na percentagem de mulheres que ocupam posições de gestão e liderança. Entre 2001 e 2017 o peso das mulheres nestes cargos aumentou de 29% para 40%.

Estudo

Este inquérito feito às empresas brasileiras faz parte de relatório global da OIT que contou com a participação de13 mil empresas em 70 países.

Segundo esta publicação, os benefícios da diversidade de género começam a ser visíveis quando as mulheres detêm 30% das posições de liderança. No entanto, quase 60% das empresas a nível mundial não atingem essa meta.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Mulheres na liderança trazem melhor desempenho para as empresas, diz relatório 

Estudo da OIT mostra que diversidade de género pode gerar até 20% de crescimento de lucros; pesquisa abrangeu 13 mil empresas em 70 países; entre países analisados em África, Cabo Verde é o segundo com maior percentagem de mulheres em cargos de topo.

Trabalho autônomo e informalidade ameaçam situação laboral na América Latina e no Caribe

Relatório aponta retrocessos na região para o alcance de objetivo número oito da Agenda 2030; Brasil teve taxa média de desemprego de 14,2% nas áreas urbanas em 2018; queda foi de 0,3% em relação ao ano anterior.