Assembleia Mundial da Saúde preocupada com epidemia de ébola na RD Congo

21 maio 2019

OMS e parceiros discutem formas de combate ao surto que conta com 1.826 casos confirmados; insegurança e violência comprometem eliminação da epidemia; foram examinadas 5 milhões de pessoas nos últimos nove meses.

As autoridades da República Democrática do Congo, RD Congo, e a Organização Mundial de Saúde, OMS, estão preocupadas com a insegurança que se vive no país e que prejudica a resposta contra a propagação do vírus do ébola.

Durante a 72º Assembleia Mundial de Saúde que está a ter lugar esta semana, em Genebra, as autoridades congolesas confirmaram a complexidade da situação, especialmente, nas províncias de Kivu do Norte e Ituri.

Insegurança

De acordo com o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, o surto ainda está ativo “não porque não se tenha as ferramentas ou as competências necessárias, mas porque não há acesso regular às comunidades em que é necessário intervir.”OMS/ J. D. Kannah

Durante a sua intervenção, o ministro da Saúde da RD Congo, Oly Ilunga, explicou que "o que está a atrasar a eliminação desta epidemia são os problemas relacionados com segurança e violência.”

Desde o início do surto de ébola, que dura há nove meses na RD Congo, foram notificados 1.826 casos, 1.738 confirmados e 88 prováveis, e 1.218 mortes.

Números que ficam aquém das 11 mil mortes causadas pela epidemia que assolou a Libéria, a Serra Leoa e a Guiné entre 2014 e 2016, mas que ainda assim estão a preocupar as Nações Unidas e os seus  parceiros.

Ataques

De acordo com o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, o surto ainda está ativo “não porque não se tenha as ferramentas ou as competências necessárias, mas porque não há acesso regular às comunidades em que é necessário intervir.”

Além disso, o último relatório epidemiológico do Ministério da Saúde congolês, datado de 20 de maio de 2019, reporta um ataque a uma viatura funerária no cemitério de Kanzunza, na cidade de Butembo.

O veículo foi danificado e três agentes da polícia ficaram levemente feridos, porque, segundo o relatório, as pessoas que vivem perto de certos cemitérios públicos são hostis a enterros de pessoas que que morreram de ébola."

Progressos

Ilunga explica que como resultado, este ambiente crescente de insegurança coloca os profissionais de saúde congoleses, a equipe da OMS e outras organizações em uma situação complicada.

O responsável elencou também os "muitos sucessos" do trabalho que está  ser feito no terreno.

Segundo ele, em nove meses, a epidemia foi contida em duas províncias, não tendo havido propagação a outras províncias da RD Congo, “apesar da alta mobilidade da população."

Foram examinados mais de 50 milhões de passageiros nos postos de controlo nos pontos de entrada e foi possível conter o vírus nas fronteiras, poupando os países vizinhos graças à colaboração transfronteiriça.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS confirma 100 casos de ébola em apenas uma semana RD Congo

Insegurança dificulta acesso a várias zonas afetadas pela doença; OMS preocupada com diagnósticos tardios e mortes fora dos centros de tratamento; número de profissionais de saúde afetados subiu para 102.

OMS alerta para “aumento acentuado” de casos de ébola na RD Congo

Desde de 2 de abril, foram notificados 1.100 casos confirmados e prováveis, dos quais 690 pacientes morreram; maioria das vitimas é do sexo feminino; OMS aposta num maior envolvimento das comunidades para combater surto.