ONU procura voluntários com urgência para Moçambique

17 maio 2019

Vagas estão disponíveis no Fundo das Nações Unidas para a Infância e no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento; candidatos devem estar disponíveis para início imediato em missões de três a seis meses.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, estão à procura de voluntários para Moçambique.

As agências explicam que os candidatos devem falar inglês e português e estar disponíveis para destacamento imediato em missões voluntárias de três a seis meses para apoiar a resposta humanitária em Moçambique.

Crise

Em março e abril de 2019, o país foi atingido por dois ciclones que causaram mais de 600 mortes. Cerca de 1,85 milhão de pessoas precisam de assistência humanitária.

Em nota, a ONU Voluntários diz que “atualmente trabalha para recrutar urgentemente voluntários nacionais e internacionais da ONU para apoiar os esforços de resposta a emergências do Pnud e do Unicef.”

As áreas de foco são analista de redução do risco de desastres, intervenções monetárias, comunicação para o desenvolvimento e gestão de informação.

Requisitos

São precisos um mínimo de dois anos de experiência profissional para missões nacionais de voluntários e pelo menos cinco anos de experiência profissional para missões internacionais nas áreas de especialização, bem como proficiência em português e inglês.

Nos próximos dias, serão publicadas mais vagas nas áreas de gestão de resíduos, proteção e gênero, recursos humanos, comunicação, monitoramento e avaliação, meios de subsistência e saúde.

Mais informações sobre candidaturas pode ser encontrado aqui.

 

 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unicef e parceiros vacinaram centenas de milhares de crianças em Moçambique

700 mil crianças foram vacinadas contra a pólio e outras 650 mil contra o sarampo e a rubéola; fortes chuvas infetaram muitos furos de água e poços das zonas rurais; agências humanitárias fornecem água segura a famílias desalojadas.