Clima: Guterres quer “decisões, vontade política e políticas de transformação”

15 maio 2019

Secretário-geral acredita em emissões zero ou neutralidade de carbono até 2050;  planeta “não pode ter” aumento de temperatura acima de 1,5 ºC; chefe da ONU destacou crescente cooperação de instituições financeiras internacionais.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, considera necessário “mobilizar a comunidade internacional” para a ação climática, sublinhando que “os Estados insulares do Pacífico têm uma enorme autoridade moral para fazê-lo.”

Guterres defende que é possível alcançar os objetivos de combate às alterações climáticas com “decisões, vontade política e políticas de transformação”

Medidas

Falando a jornalistas em Suva, capital das Ilhas Fiji, Guterres destacou que “é necessário deixar claro que o planeta não pode ter um aumento de temperatura no final do século acima de 1,5 ºC.”Pnud Tuvualu/ Aurélia Rusek

Falando a jornalistas em Suva, capital das Ilhas Fiji, Guterres destacou que “é necessário deixar claro que o planeta não pode ter um aumento de temperatura no final do século acima de 1,5 ºC ." Para isso, o chefe da ONU realçou que é necessário “alcançar emissões zero ou neutralidade de carbono em 2050.”

O secretário-geral lembrou que não é só o Pacífico que está em perigo mas “todo o planeta está em jogo e o Pacífico está na linha de frente”, agradecendo aos líderes da região pelo trabalho desenvolvido para “resgatar o planeta.”

O secretário-geral mencionou medidas concretas para atingir este objetivo, como a transferência dos impostos dos salários para as emissões de carbono ou a eliminação dos subsídios aos combustíveis fósseis.

Para ele, a necessidade de combustíveis fósseis precisa acabar porque “é inaceitável que o dinheiro dos contribuintes seja gasto subsidiando combustíveis fósseis para fazer os oceanos subirem, espalhar tempestades terríveis, aumentar a seca em várias áreas do mundo e branquear os corais.”

Recursos

Outra medida defendida pelo chefe da ONU é “impedir a construção de novas centrais a carvão a partir de 2020.”

Afirmando que os Estados insulares do Pacífico não contribuem para as mudanças climáticas, Guterres lembra que “estão na primeira linha do impacto negativo da mudança climática, e estão fazendo tudo não apenas para proteger suas populações e sua cultura, mas também para reduzir suas emissões de um exemplo para os países mais desenvolvidos do mundo.”

Aos jornalistas, Guterres explicou também que nomeou o presidente de França, o primeiro-ministro da Jamaica e o emir do Qatar para liderarem os esforços internacionais de aplicação de US$ 100 bilhões . A partir de 2020, o valor irá financiar os países em desenvolvimento para que possam transitar para uma economia verde.

O chefe da ONU destacou também a crescente cooperação das instituições financeiras internacionais, como o Banco Mundial. A instituição financeira anunciou “que está duplicando o seu apoio à ação climática de US$ 200 bilhões para US$ 400 bilhões em cinco anos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres elogia ação climática dos países do Pacífico

Em primeira visita enquanto secretário-geral à região, chefe da ONU deixa vários alertas; mudança climática traz “riscos claros para a paz e a segurança internacionais”; já há mais deslocados por eventos climáticos extremos do que por conflitos.

Guterres quer jovens mais envolvidos nas decisões sobre ação climática

Secretário-geral conversou com estudantes da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia; impostos devem taxar poluição e não as pessoas, diz líder da ONU; redução de espécies animais e vegetais é outra grande preocupação.