Parteira ajudou três crianças a vir ao mundo durante ciclone Idai em Moçambique 

6 maio 2019

Cerca de 67 mil grávidas vivem em áreas atingidas pelo primeiro dos dois desastres naturais que assolaram o país; Fundo das Nações Unidas para a População está ajudando esta população.

Uma parteira na cidade da Beira, em Moçambique, ajudou três crianças a nascer durante o ciclone Idai, que atingiu o país a 14 de março.  

O Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, destacou a história de Adelaide Raul no Dia Internacional da Parteira, marcado no domingo.  

O Unfpa estima que 67 mil mulheres estejam grávidas nas áreas afetadas pelo Idai, by UNFPA Moçambique

Partos 

A enfermeira e parteira que atua há 12 anos destacou que num desses momentos, “na hora do parto foi mais difícil porque começou a encher de água e não foi fácil.” Um objeto caiu na sua cabeça, mas ela disse que “não poderia desistir porque a mãe estava para dar parto.”  

Uma das mães atendidas por Adelaide, Helena Nicolau, disse que ela e outras mães estavam em um quarto onde o teto parecia que ia cair, mas foram levadas para uma outra sala mais segura.  

“A parteira ficou tomando conta da gente e pediu para juntamos as camas para ficarmos todas em um único lugar mais protegido. Elas nos ajudam como se o parto fosse delas mesmas. Vou dizer que ela me ajudou muito, muitíssimo e espero que possa ajudar as outras também, assim como me ajudou."  

A profissional de saúde diz que “foi muito difícil, mas ninguém sofreu, nem o bebê.” Segundo ela, nenhuma mãe conseguiu dormir, ficando a segurar o bebê na mão até que a tempestade terminasse. 

Problema 

Apenas nas áreas atingidas pelo ciclone Idai, existem cerca de 67 mil grávidas. O Unfpa realiza uma série de ações de apoio, como distribuição de kits de maternidade, kits para parto e formação de parteiras.  

A agência prevê que, nos três meses depois do ciclone, devem nascer 19 mil crianças. Mais de 3 mil mulheres podem estar em risco de vida com emergências relacionadas à gravidez. 

No Dia Internacional da Parteira, o Unfpa “destacou a importância dessas mulheres que salvam mães e bebês.” Segundo a agência, “as parteiras têm papel fundamental na chegada de uma nova vida.” 

Salvar vidas  

A ONU afirma que as parteiras salvam milhões de vidas todos os anos. O mundo tem visto um declínio constante nas mortes maternas e neonatais desde 1990, em grande parte porque mais mulheres estão recebendo cuidados obstétricos. 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, OMS, cuidados de qualidade reduzem as taxas de mortalidade materna e neonatal em mais de 80%.  

Apesar desses avanços, centenas de milhares de mulheres e recém-nascidos continuam a morrer todos os anos durante a gravidez e o parto. Segundo a ONU, em 2015, morreram 303 mil mulheres e cerca de 2,7 milhões de recém-nascidos. 

O Unfpa afirma que a maioria dessas mortes é evitável. A grande maioria dessas mulheres perdeu a vida devido a complicações e doenças que poderiam ter sido evitadas com serviços pré-natais, de parto e pós-natal prestados por parteiras. 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

“67 mil mulheres grávidas foram afetadas por desastre natural em Moçambique”

Fundo de População das Nações Unidas prevê 19 mil nascimentos de mães que foram vítimas do ciclone Idai nos próximos três meses; mais de 3 mil mulheres podem estar em risco de vida com emergências relacionadas à gravidez; acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News.