TPI não remeterá questão da Jordânia ao Conselho de Segurança por não prender Omar al-Bashir 

6 maio 2019

Ex-presidente sudanês participou de uma cimeira da Liga Árabe realizada há dois anos em Amã; julgamento de recurso confirma que autoridades do reino não colaboraram com ordem internacional dada pela instituição.  

O Tribunal Penal Internacional, TPI, não vai encaminhar a questão da Jordânia ao Conselho de Segurança da ONU e à Assembleia dos Estados-Partes por não ter prendido o ex-presidente do Sudão, Omar al-Bashir, em 2017.  

A decisão foi tomada esta segunda-feira por um painel de juízes após um pedido de recurso apresentado por Amã. A conclusão do tribunal, com sede em Haia, é que a Jordânia devia ter prendido al-Bashir, mas não devia ser remetida ao Conselho porque não o fez.  

Protestantes na capital do Sudão, Cartum, by ONU Sudão/Ayman Suliman

Crimes  

O ex-líder é suspeito de 10 crimes, incluindo genocídio, crimes de guerra e contra a humanidade relacionados ao conflito na região de Darfur. Ele nega todas as acusações. 

Apesar de dois mandados internacionais para a prisão de al-Bashir, o ex-presidente sudanês participou de uma cimeira da Liga Árabe realizada há dois anos na capital da Jordânia. 

A instituição declarou que as autoridades do reino “não cumpriram suas obrigações” ao se recusarem a deter o então líder sudanês. 

Circunstâncias  

De acordo com o juiz Chile Eboe-Osuji, “ao não prender e entregar Bashir, em circunstâncias nas quais o ex-líder não tinha imunidade, a Jordânia impediu que o tribunal exercesse um poder importante e uma função fundamental". 

A Jordânia é membro do Estatuto de Roma, que em 2002 criou o tribunal que julga pessoas acusadas de cometer crimes graves. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU alerta para escalada de violência no Sudão 

Conselho de Segurança analisou situação política e humanitária no país; 5,8 milhões de pessoas enfrentam insegurança alimentar; crise económica agrava necessidades; necessários fundos para ajudar até 4,4 milhões de pessoas.