Ciclone Kenneth leva ONU a desembolsar US$ 13 milhões para apoiar vítimas
BR

29 abril 2019

Fundo deve ajudar a assegurar alimentos essenciais, abrigo, saúde e água;  Moçambique tem 18 mil deslocados abrigados em centros de acomodação; tempestade sem precedentes matou pelo menos trinta e oito pessoas.

As Nações Unidas colocaram  US$ 13 milhões ao dispor de agências humanitárias para os afetados pelo ciclone tropical Kenneth nas ilhas Comores e em Moçambique.

O valor anunciado pelo coordenador Humanitário, Mark Lowcock, faz parte do Fundo Central de Resposta a Emergências, Cerf. A prioridade é garantir a oferta de alimentos essenciais, abrigo, saúde e água.

Muitas comunidades foram completamente destruídas no distrito de Macomia, na província de Cabo Delgado, pelos efeitos do ciclone Kenneth em Moçambique., by Ocha/Saviano Abreu

Tempestade

A área mais afetada pelo ciclone Kenneth é a província moçambicana de Cabo Delgado, no norte. Pelo menos trinta e oito pessoas morreram devido ao evento, que é considerado uma das mais fortes tempestades a atingir o país.

Falando à ONU News, de Pemba, o governador da província de Cabo Delgado, Júlio Parruque, disse que a exposição da área à costa requer uma melhor adaptação aos efeitos de fenômenos naturais.

Resiliência 

“Nós estamos diante de um evento extremo da natureza. Tivemos a previsão meteorológica e o Instituto Nacional de Meteorologia comunicou. Nós ampliamos esta informação para a nossa população. Por isso tivemos algumas medidas fortes de precaução. Entretanto, com o impacto que foi bastante expressivo deste fenómeno nós precisamos de nos manter bastante unidos, vigilantes e serenos para nos precavermos ainda mais porque precisaremos, naturalmente, de nos organizar melhor, de nos estruturar para reagir a este impacto. E logo a seguir, nos prepararmos ainda mais para a resiliência.” 

Mais de 18 mil deslocados pelo ciclone estão abrigados em centros de acomodação em Moçambique. As chuvas intensas continuam após pelo menos 4 mil casas terem sido destruídas, além de escolas e unidades de saúde danificadas.

 O ciclone Kenneth passou pela região no fim da estação chuvosa, quando os níveis do rio já estavam altos. Segundo a ONU, as fortes chuvas previstas nos próximos dias podem piorar a situação.

A organização alerta para o alto risco de inundações e deslizamentos de terra. Os efeitos do Kenneth podem provocar o dobro da chuva do ciclone Idai no mês passado nas áreas afetadas.

Intensidade

O ciclone Kenneth é considerado incomum pelo fato de fenômenos similares nunca terem atingido o norte com tanta intensidade. Outro aspeto preocupante é o fato de ter atingido distritos afetados pela insurgência nos últimos dois anos.

Nessas áreas, o programa Mundial de Alimentação, PMA, anunciou que tem trabalhado com o governo para apoiar os deslocados internos.

Nas ilhas Comores, ocorreu a destruição total e parcial de mais de 3,5 mil casas, perda de eletricidade, bloqueios de estradas e pelo menos uma ponte caiu. Escolas e centros de saúde também sofreram danos.

Risco

O ciclone causou até agora o deslocamento de pelo menos mil pessoas no arquipélago. O governo comoriano estima que 680 mil pessoas possam estar em risco.

Não houve relatos de danos causados pelo ciclone na Tanzânia, mas as chuvas, inundações e deslizamentos de terra nas regiões de Mtwara e Lindi colocam o país em alerta.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Ciclone Kenneth: governador de Cabo Delgado explica medidas tomadas

Júlio  Parruque destacou a reação do governo da Província; ciclone Kenneth causou a morte de pelo menos trinta e oito pessoas; segundo o PMA, ainda há um risco elevado de inundações e deslizamentos de terra.

Chefe da ONU deve visitar Moçambique após ciclones

Revelação do secretário-geral da ONU foi feita após reunião com o presidente moçambicano em Pequim; passagem de ciclones de categoria 4 pelo território moçambicano “não tem precedentes” na mesma temporada.