Em projeto da ONU, migrantes usam tecnologia para compartilhar histórias
BR

20 abril 2019

Objetivo do projeto Migrantes como Mensageiros é aumentar o conhecimento das pessoas sobre perigos e riscos associados à migração irregular; iniciativa implementada em três países da África Ocidental foi desenvolvida pela Organização Internacional para Migrações.

O projeto Migrantes como Mensageiros é uma iniciativa inovadora de conscientização criada pela Organização Internacional para Migração, OIM, na África Ocidental.  O objetivo é aumentar o conhecimento das pessoas sobre os perigos e riscos associados à migração irregular.

A campanha usa a tecnologia de smartphone para que os migrantes possam compartilhar relatos reais de suas experiências de migração e possam disseminá-las por meio de diferentes plataformas de mídia e de redes sociais.

Histórias

Uma dessas histórias é a de Harmless Brown. Utilizando a mídia social, ele disse que, quando voltou para a Nigéria, se sentia “tão animado, porque não há lugar como o lar.”

Já Umar and Habib, que também retornaram para a Nigéria, relataram que viajaram juntos e “viram muitas pessoas morrendo no deserto.”

O projeto destaca a importância das tecnologias de informação e de comunicação na área de migração. Para a ONU, a iniciativa também contribui para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, principalmente o objetivo número 1, relacionado a pobreza.

Projeto Piloto

A primeira fase do projeto piloto, financiado pelo governo holandês, iniciou em novembro de 2017. A iniciativa foi implementada no Senegal, na Guiné Conacri e na Nigéria.

O principal público-alvo da campanha de conscientização eram os migrantes em potencial, pessoas que consideravam sair de casa para encontrar uma vida melhor no exterior. O segundo público-alvo eram suas famílias e comunidades.

Durante o projeto foram feitas mais de mil entrevistas de vídeo produzidas por migrantes filmando outros migrantes. De acordo com a OIM, os vídeos já acumulam mais de 2 milhões de visualizações.

Tecnologia

Como parte da campanha, foram utilizados um smartphone, um tripé, uma pequena luz LED e um microfone.

Os quatro principais objetivos do projeto:

  • Capturar histórias e testemunhos de migrantes que retornaram para casa e estavam dispostos a compartilhar as histórias de suas jornadas.
  • Incentivar o contato entre os migrantes. De acordo com a OIM, o Facebook é o canal de mídia social mais usado para disseminar as histórias de repatriados.
  • Coletar feedback em tempo real do campo e obter diferentes experiências de aprendizado da campanha para que esta possa ser ajustada de forma continua.
  • Realizar uma avaliação rigorosa da campanha para obter dados tangíveis de seu impacto nos públicos-alvo.

Tecnologias que, segundo a OIM, são baratas mas impactantes, e ajudam os migrantes que retornam a se tornarem jornalistas digitais e entrevistar os colegas com experiências semelhantes.

Neste vídeo, em inglês, você confere algumas das histórias dos migrantes.

A agência da ONU, em parceria com a Universidade Sheffield Hallam, do Reino Unido, desenvolveu o aplicativo Community Response, que os repatriados puderam baixar em seus smartphones para facilitar a gravação e publicação online de vídeos durante a campanha.

Uma segunda fase do projeto da campanha de conscientização começará em breve e incluirá mais quatro países na África Ocidental.

Você pode ler as histórias dos Migrantes Mensageiros nesta página do Facebook.

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud