ONU reconhece progressos na erradicação da tortura no Afeganistão

17 abril 2019

Relatório dá conta de melhorias, mas alerta que há ainda um “longo caminho a percorrer”; incidência de tortura e maus-tratos cai 7%; estudo revela que jovens correm maior risco de sofrer maus-tratos.

As Nações Unidas informaram, esta quarta-feira, que houve uma “redução encorajadora”, no número de casos de tortura relacionados com o conflito do Afeganistão desde 2016.

No entanto, a organização alerta com preocupação que o número de casos em que os detidos continuam a denunciar tortura e maus-tratos ainda é elevado.

Melhorias

Realizado entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de 2018, o estudo reconhece o progresso feito pelo governo na implementação do Plano Nacional sobre a Eliminação da Tortura no Afeganistão.Unsmil/Iason Athanasiadis

Os dados constam do relatório da Missão da ONU no Afeganistão, Unama, e do Gabinete de Direitos Humanos. O estudo foi publicado no primeiro aniversário da adesão do Afeganistão ao Protocolo Opcional da Convenção Contra a Tortura.

Quase um terço dos detidos em conflito relatou ter sido sujeito a tortura ou a maus-tratos, destaca o relatório. O documento é baseado em entrevistas com 618 pessoas detidas em 77 locais, em 28 províncias do país.

Realizado entre 1 de janeiro de 2017 e 31 de dezembro de 2018, o estudo reconhece o progresso feito pelo governo na implementação do Plano Nacional sobre a Eliminação da Tortura no Afeganistão.

Em nota, o representante especial do secretário-geral para o Afeganistão, Tadamichi Yamamoto, saúda as medidas tomadas pelo governo “para prevenir e investigar casos de tortura e maus-tratos nos últimos dois anos”. No entanto, o enviado considera que “ainda há um longo caminho a percorrer para erradicar esta prática horrenda entre os detidos relacionados com conflitos.”

Prevalência

Segundo o relatório, entre os que estão sob custódia das Forças Nacionais de Defesa e Segurança do Afeganistão, 32% relataram tortura e maus-tratos. Entre 1 de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2016, a percentagem era de 39%.

A redução mais acentuada registou-se em 2018, em particular, dentro das instalações da Direção Nacional de Segurança, DNS, a prevalência de tortura e maus-tratos dos entrevistados diminuiu de 29% para 19%.

Já entre as pessoas que estão sob custódia da Polícia Nacional Afegã, PNA, a proporção daqueles que relataram tortura ou maus-tratos caiu de 45% em relação ao período anterior para 31%.

A publicação conclui ainda que os jovens correm maior risco de sofrer maus-tratos.

Embora a redução no número de casos seja encorajadora, o relatório observa que o “declínio no uso de tortura ou maus-tratos ainda não é significativo o suficiente para indicar que as medidas corretivas tomadas são suficientes.”

A forma mais comum de tortura foi espancamento, com a maioria dos inquiridos a afirmar ter sido torturada ou maltratada para confessar determinadas acusações.

O relatório enfatiza violações e desafios em outras áreas, entre elas, limitações legais ao direito dos detidos, falta de implementação das principais garantias processuais e outras garantias legais para prevenir a tortura, como exames médicos, acesso a advogados, etc.

Michelle Bachelet afirmou que as conclusões do relatório demonstram que as políticas implementadas para combater a tortura e os maus-tratos fazem efeito, “mas estão longe de ser suficientes.”Foto ONU/ Violaine Martin

Apelo

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, afirmou que as conclusões do relatório demonstram que as políticas implementadas para combater a tortura e os maus-tratos fazem efeito, “mas estão longe de ser suficientes.”

A representante apela ao governo afegão que crie um Mecanismo Nacional de Prevenção para assegurar um escrutínio imparcial e independente do tratamento dos detidos.

Para ela, só um órgão de fiscalização com bons recursos, capaz de fazer visitas inesperadas a centros de detenção e “aumentar a consciencialização sobre o que constitui tortura e maus-tratos, de acordo com a legislação internacional de direitos humanos, pode ajudar muito a erradicar completamente tortura."

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Pnuma lembra importância de mitigar efeitos das catástrofes naturais

Agência da ONU destaca importância de Manual da Consciencialização e Preparação para Emergências a Nível Local; entre 1998 e 2017, países perderam US$ 2,245 bilhões em desastres relacionados com o clima.

Em 2018, número de civis mortos no Afeganistão foi o maior da última década

Missão da ONU no país e Escritório das Nações Unidas para os Direitos Humanos diz que Afeganistão atingiu mais um recorde “profundamente perturbador e totalmente inaceitável”; mais de 3,8 mil pessoas teriam morrido em um ano.