“Guiné-Bissau está a inaugurar uma nova era de estabilidade”, diz chefe do Pnud

16 abril 2019

Em entrevista à ONU News, Gabriel Dava disse que a “expetativa é grande” por parte da comunidade internacional; novo Parlamento da Guiné-Bissau é empossado esta quinta-feira, 18 de abril.

O representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, na Guiné-Bissau disse que a agência acredita que o país lusófono “está a inaugurar uma nova era de estabilidade”.

Depois das eleições legislativas de 10 de março, os novos deputados da Assembleia Nacional da Guiné-Bissau são empossados a 18 de abril, quinta-feira.

Representante do Pnud para a Guiné-Bissau, Gabriel Dava, by Captura vídeo

Expetativa

Em entrevista à ONU News, em Nova Iorque, Gabriel Dava lembrou a forma ordeira como os guineenses votaram em março e disse que “a expetativa é grande.” A agência ofereceu apoio logístico e técnico ao processo eleitoral.

 “Estamos muito satisfeitos que as eleições tenham decorrido de forma ordeira, de forma tranquila, e foram reconhecidas como eleições justas, transparentes e credíveis. E o Pnud quer se congratular por ter sido parte desse processo, ter apoiado o processo eleitoral, em todos os seus aspetos. Sentimo-nos felizes por isso. Estamos agora na expectativa à espera da formação do novo governo. Esperamos que vai ser em breve.”

Os resultados definitivos divulgados pela Comissão Nacional de Eleições indicam que o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, Paigc, obteve 47 deputados.

O partido deve formar governo para liderar o país nos próximos quatro anos, mas a data de tomada de posse do executivo ainda não foi anunciada.  

Nova era

O Escritório Integrado da ONU para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, Uniogbis, foi estabelecido em 1999 e deve ser encerrado no final de 2020.

O Conselho de Segurança decidiu que a missão da ONU deve começar a transferir responsabilidades assim que forem realizadas eleições presidenciais. Segundo a lei eleitoral do país, o escrutínio deve acontecer ainda este ano.

Com as duas eleições realizadas, o representante do Pnud afirma que a Guiné-Bissau deve encontrar a estabilidade necessária para conseguir um desenvolvimento sustentável.

“Temos fé e acreditamos que a Guiné-Bissau está a inaugurar uma nova era de estabilidade e essa estabilidade é importante para começarmos a pensar no desenvolvimento do país. Sem estabilidade não vamos conseguir desenvolver. Todas essas prioridades que eu aqui indiquei, são prioridades que só podem ser desenvolvidas e implementadas se houver estabilidade no país. Enquanto não houver estabilidade tudo o que dissermos não vai acontecer. Portanto, temos fé e acreditamos que a Guiné-Bissau vai inaugurar uma nova era de estabilidade, quando tivermos o novo governo, vamos poder de facto avançar. É um país que tem potencialidades, é um país que tem uma população extraordinária, e merece trilhar por um processo de desenvolvimento sustentável.”

Entre as áreas prioritárias do Pnud para a Guiné-Bissau, estão a proteção do ambiente, a reforma do setor de justiça, o reforço das instituições e a ajuda ao desenvolvimento económico.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Destaque ONU News Especial - representante do Pnud na Guiné-Bissau

Neste Destaque ONU News Especial, o representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, na Guiné-Bissau fala sobre as "grandes expetativas" para o futuro do país. Gabriel Dava explica a importância de várias prioridades, como ambiente e justiça, e afirma que não há desenvolvimento económico sem instituíções fortes.

 

Conselho de Segurança pede respeito ao resultado das eleições na Guiné-Bissau

País lusófono realizou eleições legislativas a 10 de março; órgão da ONU felicitou povo e governo pela realização de um escrutino pacífico e lembra necessidade de realizar eleições presidenciais ainda em 2019.