A busca da recuperação, um mês após a passagem do ciclone Idai

13 abril 2019

Nações Unidas buscam fundos de urgência para alargar resposta de emergência; necessários US$ 394 milhões para apoiar vítimas do desastre que atingiu 3 milhões de pessoas; acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News.  

O Escritório da ONU para os Assuntos Humanitários, Ocha, alerta que embora estejam baixando as águas das inundações, o mesmo não acontece com as necessidades para a recuperação um mês após a passagem do ciclone Idai pela costa leste da África Austral.

O valor para apoiar às vítimas do desastre em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui ronda os US$ 394 milhões. O ciclone tropical afetou 3 milhões de pessoas após assolar as áreas nos dias 14 e 15 de março. Cerca de 1,5 milhão de crianças precisam de assistência nos três países.

ACOMPANHE AQUI A COBERTURA ESPECIAL

Inverno

Moçambique é o país mais afetado pela emergência e tem cerca de 1,8 mil pessoas que precisam de auxílio. A assistência alimentar já chegou a mais de 1 milhão de afetados na província central de Sofala, onde decorre a distribuição de sementes para a época de inverno.

Organizações humanitárias continuam prestando socorro aos moçambicanos que sobreviveram, onde o número de mortos confirmados é de 603 pessoas. Mais de 293 mil casas foram destruídas e 15.784 ficaram debaixo das águas.

O Governo de Moçambique relatou uma redução no número de pessoas abrigadas em centros de acomodação para cerca de 73 mil, em 70 locais. Acredita-se que muitos deslocados continuem em casa de amigos e familiares.

Os agricultores das áreas do centro do país recebem kits agrícolas com ferramentas que incluem enxadas e facões. A esperança é que nos próximos três meses ocorram as primeiras colheitas de milho e feijão cujas sementes já estão sendo distribuídas.

Artigos

Mais de 907 mil pessoas já receberam apoio que inclui acesso à água, artigos de higiene e saneamento.

Desde que a cólera eclodiu em finais de março foram notificados mais de 4,9 mil casos da doença em Moçambique. O Ministério da Saúde identificou mais de 7,5 mil pessoas que contraíram a malária.

Os danos causados à infraestrutura do porto da cidade da Beira afetam a ligação com rotas de transporte que podem impedir a importação de grãos. Se não houver ação imediata, a recuperação e reconstrução serão ainda mais demorados.

Subsistência

Mais de 1 milhão de toneladas de trigo e arroz são importados anualmente para Moçambique.

As Nações Unidas apreciam a manifestação de solidariedade mostrada no início da crise, mas destacam que ainda não chega. Mais fundos são urgentemente necessários para salvar vidas e ajudar a recuperar os meios de subsistência.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OIM e pós-Idai: “é importante continuar a ajudar. As necessidades são grandes.”

No último fim de semana cerca de 450 famílias retornaram às áreas de origem em Moçambique; comunidades continuam em áreas isoladas um mês após a passagem do ciclone tropical que também atingiu o Maláui e o Zimbábue;  acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News. 

Moçambique: ONU começa a distribuir produtos agrícolas para ajudar famílias afetadas por ciclone

Centenas de milhares de hectares foram destruídos durante desastre natural; mais de 80% da população depende desta atividade para a sua subsistência; sementes de crescimento rápido devem permitir colheita em 90 dias.