ONU pede “calma e máxima contenção” após retirada do poder do presidente do Sudão

11 abril 2019

Secretária-geral disse que organização está pronta para apoiar o povo sudanês no momento em que define um caminho a seguir; anúncio oficial da deposição de Omar al-Bashir foi feito esta quinta-feira na Televisão do Sudão.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, disse que continua acompanhando de perto os acontecimentos no Sudão. Em nota, o chefe da ONU reitera seu pedido de “calma e máxima contenção a todas as partes”.

Protestos contra o presidente Omar al-Bashir iniciaram em dezembro, by ONU/Eskinder Debebe

Esta quinta-feira, agências de notícias anunciaram que o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, foi retirado do poder e preso por militares após governar o país por 30 anos.

Meses de Protestos

Em comunicação à Televisão do Sudão, o Exército informou que decidiu supervisionar um período de transição de dois anos, que será seguido de eleições. Um estado de emergência de três meses foi decretado no país.

Estas medidas seguem-se a meses de protestos contra al-Bashir, que governou o Sudão desde 1989.

Transição

António Guterres lembra seu encorajamento e suas expectativas de que "a aspiração democrática do povo sudanês seja concretizada através de um processo de transição apropriado e inclusivo".

O secretário-geral terminou a nota reafirmando que as Nações Unidas estão prontas para apoiar o povo sudanês no momento de definição de um caminho a seguir.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres pede máxima contenção após confrontos que provocaram mortos no Sudão

As autoridades sudanesas confirmaram que sete manifestantes  perderam a vida desde sábado; protestos contra o presidente Omar al-Bashir  são considerados os maiores desde dezembro.

Escalada da violência no Sudão preocupa especialistas da ONU

Segundo agências de notícias, pelo menos 19 pessoas morreram em protestos que acontecem em diferentes partes do país; sudaneses reclamam da subida de preços dos alimentos e combustíveis.