Moçambique: campanha de vacinação contra cólera concluída com sucesso

11 abril 2019

Foram vacinadas mais de 800 mil pessoas, em seis dias, nos quatro distritos afetados; campanha contou com apoio de 1,2 mil voluntários.

O Ministério da Saúde de Moçambique concluiu com sucesso uma campanha de vacinação de emergência contra a cólera.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, OMS, em seis dias, foram vacinadas mais de 800 mil pessoas, em quatro distritos afetados pelo ciclone Idai.

Parceiros

A campanha foi apoiada por cerca de 1,2 mil voluntários da comunidade e parceiros, incluindo a OMS, o Fundo das Nações Unidas para Infância, Unicef, a Médicos Sem Fronteiras, MSF, a Federação Internacional da Cruz Vermelha e Sociedades do Crescente Vermelho, IFRC, e a Save the Children.

Rapidez

Vacinas contra a cólera chegaram ao aeroporto da Beira, em Moçambique, a 2 de abril.Unicef/DE WET

A representante da OMS em Moçambique, Djamila Cabral, explicou que “esta campanha foi uma das mais rápidas de sempre, graças à experiência dos profissionais do Ministério da Saúde, que sabendo que havia um grande risco da cólera, fizeram um pedido rápido de vacinas logo depois que o ciclone atingiu o país."

Em nota, a representante explicou também que "o Ministério fez um excelente trabalho na organização da campanha para alcançar muitas pessoas em tão pouco tempo” e lembrou que a vacina oral contra a cólera “é uma das medidas que permite salvar vidas e impedir a propagação da doença.”

A vacina oral contra a cólera foi doada pela Aliança Mundial para Vacinação e Imunização, Gavi, e chegou à Beira na terça-feira, 2 de abril. Em 24 horas, começou a chegar às pessoas necessitadas.

A vacina foi administrada às comunidades com maior risco depois de terem sido identificadas pelo Governo, sobretudo as que não tinham acesso a água potável e a saneamento, nos distritos da Beira, Dondo, Nhamatanda e Búzi.

Sucesso

A OMS informa que a adesão das comunidades à vacinação foi muito elevada e, por isso, a campanha foi tão bem-sucedida.

As vacinas que ainda estão disponíveis serão administradas em outras comunidades em risco que não foram abrangidas pela campanha inicial.

A vacina garante proteção contra a cólera num prazo de aproximadamente sete dias, garantindo imunização durante seis meses.

A especialista em vacinação contra a cólera da OMS, Kate Alberti, informou que “o controlo da cólera nessas áreas reduzirá o risco para o resto da população, porque menos pessoas irão disseminar a doença."

Por outro lado, a ministra da Saúde de Moçambique, Nazira Abdula, reconheceu o grande apoio da OMS e dos parceiros nesta campanha de vacinação, lembrando que “é muito difícil lançar uma campanha desta envergadura em apenas três dias.”

Centros de Tratamento

O Ministério da Saúde declarou o surto de cólera a 27 de março. A 8 de abril, tinham sido registado 3.577 casos e seis mortes.
​​​​​​​Unicef/ De Wet

Desde que o ciclone Idai atingiu Moçambique, a 14 de março, centenas de milhares de pessoas vivem em centros de acolhimento sem acesso a água potável e a saneamento adequado. O Ministério da Saúde declarou o surto de cólera a 27 de março. A 8 de abril, tinham sido registado 3.577 casos e seis mortes.

A vacina contra a cólera é apenas uma ferramenta para a resposta ao surto. Atualmente, as autoridades nacionais e os parceiros internacionais criaram 12 centros de tratamento da cólera, com capacidade para 500 camas, para servir as comunidades afetadas.

Os parceiros estão também a apoiar as autoridades locais no acesso à água potável e ao saneamento em toda a província de Sofala.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Moçambique: 82% da população em risco já foi vacinada contra a cólera, diz OMS

Até ao momento, foram vacinadas 745.609 pessoas; campanha contou com apoio de agências da ONU e parceiros; Governo do país identificou população mais exposta a doença.

Moçambique ainda tem casas submersas, semanas após a passagem do ciclone Idai

Ocha divulgou dados preliminares sobre situação “particularmente preocupante” do distrito do Búzi; estudo que envolveu várias agências revela haver terras debaixo da água há mais de três semanas na área do centro do país. Acompanhe aqui a cobertura especial da ONU News.