“Problema humanitário é muito real na Venezuela”, alerta a ONU
BR

10 abril 2019

Conselho de Segurança acompanhou atualização em sessão convocada pelos EUA;  chefe humanitário, Mark Lowcock, pediu atenção para 7 milhões de pessoas que precisam de ajuda; quase 2,8 milhões de venezuelanos precisam de assistência médica.

O Conselho de Segurança realizou esta quarta-feira uma sessão que debateu a Venezuela. Na reunião, o subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, declarou que “o problema humanitário é muito real” no país.

Ao descrever a situação, o representante destacou uma “dimensão de necessidades que é significativa e crescente”. Estima-se que 7 milhões de pessoas precisem de ajuda humanitária, o que corresponde a 25% da população venezuelana.

Subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, no Conselho de Segurança. Foto ONU/Eskinder Debebe

Ajuda

O representante revelou ao Conselho que as Nações Unidas trabalham para expandir a ajuda, e que “muito mais precisa ser feito” para chegar a essa meta.

Mark Lowcock disse que é preciso “separar os objetivos políticos e humanitários”  e pediu o apoio do Conselho para proteger a neutralidade e imparcialidade da ação humanitária.

O representante apelou os 15 Estados-membros do órgão que façam pressão para que haja um acesso contínuo e regular aos necessitados, além de fundos para financiar a expansão de programas de auxílio.

Cuidados

Em seu discurso, Lowcock destacou que os apagões generalizados recorrentes afetaram toda a Venezuela. Sem eletricidade, muitos hospitais tentam realizar procedimentos cirúrgicos essenciais, manter os serviços de cuidados intensivos e o tratamento de hemodiálise.

Os sistemas de água e esgotos foram interrompidos e a situação econômica continuou a piorar, assim como o poder de compra das pessoas, tornando os alimentos ainda menos acessíveis para muitas famílias.

O coordenador humanitário da ONU informou que em um contexto de contração econômica severa e contínua, a estimativa é que 1,9 milhão de pessoas necessitem de assistência nutricional, incluindo 1,3 milhão de crianças menores de cinco anos.

2018 União Europeia/N. Mazars
Migrantes venezuelanos na Colômbia

Saneamento

A Venezuela também é afetada pelo ressurgimento de doenças evitáveis como tuberculose, difteria, sarampo e malária. Cerca de 2,8 milhões de pessoas precisam de assistência médica, incluindo 1,1 milhão de crianças.

Segundo a ONU, quase 4,3 milhões de venezuelanos precisam de assistência em áreas como água e saneamento. Entre eles, estão 17% de pessoas pobres que não têm acesso à água potável, ou são abastecidas apenas uma vez a cada duas semanas.

Acnur/Stephen Ferry
Venezuelanos procuram oportunidades de trabalho nos países vizinhos

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Unicef: 1,1 milhão de crianças venezuelanas precisarão de assistência em 2019

Expectativa é de um aumento de mais de 50% em relação a quase meio milhão de crianças que estão nessa situação; agência faz apelo para que países anfitriões e de trânsito protejam os menores deslocados da discriminação e garantam acesso aos serviços essenciais.

Agências da ONU marcam um ano da operação de acolhimento de venezuelanos no Brasil

Lançada em março de 2018, Operação Acolhida operacionaliza assistência emergencial para acolhimento de refugiados e migrantes da Venezuela; mais de 240 mil venezuelanos entraram no Brasil desde 2017, sendo que quase a metade deles já saiu do país.*