100 anos de OIT: ONU alerta sobre falta de preparação para o futuro do trabalho

10 abril 2019

Assembleia Geral marcou centenário da Organização Internacional do Trabalho; secretário-geral aponta período de profunda transformação tecnológica, que exige investimento em educação e uma nova geração de apoio e proteção no mundo.

O secretário-geral afirmou esta quarta-feira que os países ainda não estão preparados para o futuro do trabalho. António Guterres falou em uma cerimônia da Assembleia Geral que marcou o centenário da Organização Internacional do Trabalho, OIT.

Guterres elogiou o diretor-geral da agência, Guy Ryder, por destacar o tema “Futuro do Trabalho” durante o 100º aniversário da OIT.

Incerteza

Para o chefe da ONU, o mundo vive “um período de profunda incerteza, perturbação e transformação tecnológica.”

Ele acredita que “inovações como a inteligência artificial ajudarão as economias e o progresso nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”. Ao mesmo tempo, os países enfrentarão “uma tremenda ruptura no mercado de trabalho, com uma enorme quantidade de empregos criados e destruídos.”

Guterres afirmou que “até mesmo o conceito de trabalho mudará, e a relação entre trabalho, lazer e outras ocupações.”

Preparação

Afirmando a falta de preparação para essas mudanças, o secretário-geral disse que é necessário “um investimento massivo em educação, mas também um tipo diferente de educação, não apenas aprendendo coisas, mas aprendendo a aprender.”

Para o chefe da ONU, também é necessário criar “uma geração de apoio e proteção social para as pessoas” e “mobilizar governos e todos os atores como nunca antes.”

Guterres explicou que, como a economia digital opera em um mundo sem fronteiras, “mais do que nunca as instituições internacionais devem desempenhar um papel vital na definição do futuro do trabalho.”

Guterres chamou a atenção para os desafios da quarta revolução industrial sobre os jovens., by ONU/Jean Marc Ferré

História

Lembrando a história da OIT, formada logo após o fim da Primeira Guerra Mundial, Guterres disse que a agência continua sendo “uma fonte de força e legitimidade.”

O secretário-geral afirmou que, em épocas de conflito e paz, democracia e ditadura, descolonização e Guerra Fria, a OIT teve sempre “um papel central na luta por progresso social.”

Para o chefe da ONU, a agência foi um espaço para encontrar soluções partilhadas através do diálogo e que, em anos mais recentes, “tem defendido a necessidade de construir uma globalização justa que amplie as oportunidades, reduza as desigualdades e responda às demandas das pessoas pela oportunidade de trabalho decente.”

Guterres também afirmou que a organização “tem sido uma voz de confiança para expandir as oportunidades para os jovens, abrir portas e quebrar tetos de vidro para as mulheres e garantir a justiça social em todos os cantos do mundo.”

Representantes

A presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa, também discursou no encontro. A representante reiterou que “o trabalho decente é uma das prioridades” da sua presidência por ser uma área essencial para tornar as Nações Unidas mais relevantes para todos.

Segundo Espinosa, esta “é uma forma de demonstrar o impacto tangível, de todos os dias do trabalho” da organização.

Futuro

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, disse que o centenário “é um momento para refletir sobre o propósito” da OIT e “sobre o rumo para o futuro.”

Diretor-geral da OIT, Guy Ryder, by OIT/Crozet/Pouteau

Ryder afirmou que “o mundo do trabalho passa por uma mudança transformadora sem precedentes”, que “traz oportunidades para muitos e para outros gera um sentimento profundo de instabilidade, ansiedade e até medo.”

O representante disse que as organizações do sistema multilateral trabalham em um “contexto de grande incerteza e desilusão generalizada sobre as perspectivas de progresso social e econômico sustentável” e que “os próprios princípios do multilateralismo são questionados.”

O chefe da OIT lembrou que a agência publicou um relatório em janeiro, com o tema “Futuro do Trabalho”, que estabelece 10 recomendações para resolver estes desafios.

Rider concluiu apontando que o futuro “não será ditado pelo desenvolvimento tecnológico, mas sim pelas escolhas que faremos sobre o futuro.”

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Ministro do Trabalho de Portugal: “OIT tem papel incomparável no sistema da ONU”

Vieira da Silva destaca importância da atuação da agência que comemora 100 anos de vida ; evento de alto nível debate futuro do trabalho esta quarta-feira em Nova Iorque.

Mulheres ainda ganham em média 20% a menos que os homens no mundo

De acordo com um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho, OIT, publicado nesta quinta-feira, nos últimos 27 anos a diferença nas taxas de emprego entre homens e mulheres diminuiu menos de 2%.