Ministro do Trabalho de Portugal: “OIT tem papel incomparável no sistema da ONU”

10 abril 2019

Vieira da Silva destaca importância da atuação da agência que comemora 100 anos de vida ; evento de alto nível debate futuro do trabalho esta quarta-feira em Nova Iorque.

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal, José António Vieira da Silva, considera que a  Organização Internacional do Trabalho, OIT,   tem um papel único.

Em entrevista à ONU News, em Nova Iorque, o ministro português explica o papel desta agência na definição dos valores essências das relações laborais.  

Importância

OIT discute futuro do trabalho em evento de alto nível na sede da ONU, em Nova Iorque.OIT/A. Mirza

“A OIT tem um papel que é incomparável no universo das Nações Unidas, em particular, pela natureza da sua constituição. É a única organização que tem uma administração e um funcionamento tripartido, onde estão os governos, onde estão os empregadores e onde estão os sindicatos. Isso dá-lhe, desde logo, uma caraterística única porque de alguma forma ela esteve nos fundamentos do que é hoje um valor é muito importante em muitas sociedades, e em particular nas sociedades europeias, que é o valor do diálogo social e da concertação social.”

Vieira da Silva participa na celebração do centenário da OIT, que será marcada por uma sessão especial da Assembleia Geral com a presença do secretário-geral da ONU. A discussão será centrada no futuro do trabalho.

Desafios

O ministro identifica a globalização, a transformação tecnológica e o fraco crescimento demográfico como os grandes desafios para o emprego e as relações laborais, considerando que “vivemos um período único.”

Em relação ao passado, o representante português comentou algumas das conclusões do relatório da OIT sobre o trabalho em Portugal entre o período de 2008 e 2018.

“É um relatório que é crítico relativamente ao período de ajustamento financeiro. Porque conclui que a visão de que se tinha de redução do valor do trabalho, cortes generalizados nas prestações sociais, concluem que, de facto, que a expetativa de que se tinha de que ajudava a recuperar a economia foi um pouco ao contrário, aprofundou a crise e só quando se inverteu essa tendência foi possível começar a construir um caminho de recuperação.”

O ministro sublinhou ainda a importância da cooperação internacional em matérias laborais, destacando o papel da troca de experiências e de concertação entre os países da lusofonia.

A OIT celebra o 100º aniversário com uma sessão especial da Assembleia Geral da ONU.OIT

 “É uma das áreas onde que creio que, com todas as diferenças que existem entre os diferentes países em várias zonas do mundo é uma área em que há uma realidade de cooperação e há principalmente um enorme potencial para o futuro.”

Aniversário

Para assinalar os 100 anos, a OIT organiza ainda uma transmissão mundial “virtual” de 24 horas, de diferentes  eventos, a partir de 24 diferentes escritórios da organização.

A intenção é que cada uma destas representações contribua com uma hora de conteúdos, com realidade local, criando assim uma visão global da diversidade e alcance do trabalho da OIT.

A viagem multinacional e multicultural começa onde o dia mundial começa oficialmente, na Linha de Data Internacional nas ilhas Fiji, passará pelas cidades de Manila, Pequim, Bangkok, Colombo, Pretória, Moscovo, Turim, terminando em Lima no Peru.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Mulheres ainda ganham em média 20% a menos que os homens no mundo

De acordo com um novo relatório da Organização Internacional do Trabalho, OIT, publicado nesta quinta-feira, nos últimos 27 anos a diferença nas taxas de emprego entre homens e mulheres diminuiu menos de 2%.

Diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho teve pequena baixa em 20 anos

OIT revela que mulheres recebem um quinto a menos que homens; diretor do Escritório da agência em Nova Iorque diz que não há o que celebrar quanto à igualdade de gênero no setor laboral no 8 de março, Dia Internacional da Mulher.