ONU aprova US$ 20 milhões para ajudar vítimas do ciclone em Moçambique
BR

20 março 2019

Cheias do ciclone Idai causaram pelo menos 202 mortes e 17 mil deslocados;  número de vítimas deve aumentar com mais chuvas previstas para várias províncias moçambicanas; UE anunciou um apoio de €3,5 milhões para os três países afetados.

As Nações Unidas colocaram US$ 20 milhões ao dispor de agências humanitárias para ajudar a resposta pós-ciclone Idai em Moçambique, no Zimbábue e no Maláui.

O valor do Fundo Central de Resposta a Emergências, Cerf, foi anunciado esta quarta-feira pelo subsecretário-geral para os Assuntos Humanitários da ONU, Mark Lowcock.

ACOMPANHE AQUI A COBERTURA ESPECIAL

Distribuição de alimentos em escola transformada em abrigo na Beira. Foto: PMA/Deborah Nguyen

Luto e Emergência

O país vive o primeiro dia de luto nacional devido à emergência causada pelas cheias e pelo ciclone Idai que causou mais de 202 mortes e 17 mil deslocados. Espera-se que o número venha a subir com o aumento significativo do nível das águas nos próximos dias.

Cerca de 350 mil pessoas podem estar em risco e a cidade de Búzi, que acolhe 200 mil habitantes, pode ficar parcialmente submersa. 

O acesso à cidade da Beira, a segunda maior do país, continua a ser um desafio, com estradas cortadas e edifícios inundados ou danificados.

No Maláui, o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, enviou suprimentos para as áreas afetadas do sul.  

Os artigos incluem milhares de pacotes de sais de reidratação oral, antibióticos e centenas de mosquiteiros tratados com inseticida. A agência opera em coordenação com o governo e equipes das Nações Unidas para fornecer uma resposta humanitária conjunta.

Comunidades

Depois de um desastre, a prioridade da agência é ajudar crianças e famílias que perderam suas casas e estão vivendo em centros de evacuação ou com outras famílias em suas comunidades.

O segundo país mais afetado pela tragédia teve 56 mortes, 577 feridos e 922.900 vítimas em 14 distritos desde 9 de março. Cerca de 460 mil crianças foram afetadas, de acordo com o Departamento de Gerenciamento e Preparação para Desastres.

No Zimbábue, 102 pessoas morreram e 3.692 foram deslocadas. As áreas de Chimanimani e Chipinge são os mais atingidos, com estradas e pontes de acesso principais lavadas.

A Comissão Europeia anunciou um pacote inicial de ajuda de emergência de €3,5 milhões para os três países afetados.

Chuvas, ventos e trovoadas fortes estão previstas para várias províncias moçambicanas de Sofala, Zambézia, Niassa, Nampula, Inhambane e Gaza.  No Zimbábue, chuvas moderadas são esperadas nas províncias do nordeste.

 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ESPECIAL MOÇAMBIQUE: “Isto é uma coisa nunca vista”

Coordenador de emergência do PMA, Pedro Matos, está na cidade da Beira a trabalhar na resposta humanitária; agência coordena auxílio internacional pós-ciclone; 600 mil pessoas foram afetadas pelas cheias e já se admite centenas de mortes; acompanhe aqui a cobertura especial

Alerta Unicef: milhares de crianças precisam de assistência humanitária em Moçambique

Governo moçambicano estima que 850 mil pessoas  tenham sido afetadas; são necessários US$ 20,3 milhões para apoiar a resposta humanitária nos três países afetados.