ONU encoraja refugiadas a seguir em frente e a reconhecer seu valor em Angola

19 março 2019

Festival promovido pelo Acnur e outras agências e programas das Nações Unidas celebraram as mulheres no assentamento de Lóvua; atividades com refugiadas congolesas no norte incluíram futebol e teatro.

Refugiados congoleses em Angola e agências humanitárias celebraram as mulheres no assentamento do Lóvua. O local acolheu mais de 13,6 mil pessoas, ou cerca de 60% da população refugiada da República Democrática do Congo no norte de Angola.

Acnur/ Omotola Akindipe
Bienal de Luanda terá um fórum de ideias, um fórum da juventude, um festival da cultura e paz para o desporto para as populações locais.

As celebrações marcaram o dia 8 de março de 2019, observado pela primeira vez pelas Nações Unidas em 1975. Para o escritório da organização, o momento foi “para refletir sobre o progresso, para pedir mudanças e celebrar atos de coragem e determinação".

Valor

Segundo a ONU Angola, durante as comemorações, que contaram com discursos e apresentações, as mulheres foram encorajadas a seguir em frente e a reconhecer o seu valor na sociedade.

Também foi realizada uma peça teatral, na qual refugiadas conversaram com membros do governo local sobre questões dos refugiados. A conversa foi moderada pela jornalista Alfonsine, que também liderou uma demonstração de karatê feminino.

© Acnur/Omotola Akindipe
Também foi realizada uma peça teatral, na qual refugiadas conversaram com membros do governo local sobre questões dos refugiados.

Vencedora

Durante as festividades, a equipa vencedora do torneio de futebol feminino de 2019 foi premiada com uma taça para muito júbilo dos refugiados.

A celebração terminou com um desfile de todas as 10 áreas do assentamento de Lóvua e grupos temáticos como a proteção infantil.

Assista ao vídeo do Acnur Angola sobre o evento:

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

CSW63: Angola quer ajudar pessoas vulneráveis gerindo melhor recursos disponíveis

Partilha de experiências com países lusófonos interessa ministra da Ação Social, Família e Mulher; reunião na ONU é vista como momento para promover ganhos em prol da igualdade de género no país.

CSW63: ministra de Angola explica projetos do governo para mulheres

A ministra da Ação Social, Família e Mulher de Angola participa da 63ª Sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, CSW63, que acontece na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque. Faustina Alves fala sobre os programas criados para aumentar a proteção de mulheres em situação de vulnerabilidade no país, e contatos com outros países de língua portuguesa para compartilhar experiências nessa área