Secretário-geral condena ataques a mesquitas na Nova Zelândia

15 março 2019

Agências de notícias informaram que 49 pessoas morreram no ataque que aconteceu  durante as orações de sexta-feira; altos funcionários da ONU também expressam solidariedade com as famílias das vítimas.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, expressou, esta sexta-feira, a sua tristeza pela morte de inocentes provocadas pelo ataque a duas mesquitas na Nova Zelândia.

Em mensagem no Twitter, Guterres condenou “com veemência a morte de pessoas inocentes enquanto oravam pacificamente em mesquitas”. A mensagem expressa as “mais profundas condolências às famílias das vítimas.”

O representante destacou ainda que todos se devem “unir contra o ódio antimuçulmano e todas as formas de fanatismo e terror.”

Ataque

De acordo com agências de notícias, 49 pessoas morreram na sequência de tiroteios em duas mesquitas no centro da cidade de Christchurch.

A comunidade muçulmana considera o ataque “especialmente chocante” por ter ocorrido durante a oração de sexta-feira.

A polícia instou as pessoas a ficarem longe das mesquitas até novo aviso.

Reação

O diretor-geral da Organização Internacional para as Migrações, OIM, António Vitorino também reagiu a este ataque. Na sua conta de Twitter, Vitorino afirmou estar “profundamente triste com a terrível perda de vidas” causados pelos ataques e sublinha que é possível que “entre os mortos e feridos estejam muitos refugiados e migrantes.”

Também o Alto Comissário para os Refugiados, Filippo Grandi, declarou que todos os que trabalham na agência estão firmemente com o povo e o governo da Nova Zelândia “em luto, oração e solidariedade.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Ativista brasileira Marielle Franco é lembrada por especialistas, família e políticos

Morte da defensora de direitos humanos ocorreu há um ano no Rio de Janeiro; especialistas dizem que é preciso fazer mais para esclarecer motivos do ataque. *

Unicef lamenta ataque em escola onde morreram 10 pessoas no Brasil

Alunos, funcionários e atiradores estão entre os que morreram no ato ocorrido na escola estadual Professor Raul Brasil em Suzano, região metropolitana de São Paulo; para agência, “nenhum menino ou menina deveria sentir medo de ir à escola.”