Vice-chefe da ONU incentiva soluções para travar efeitos da alteração climática
BR

14 março 2019

Amina Mohamed pede transformação da economia global para modelo mais sustentável; representante elogiou ações de governos, do setor privado e da sociedade civil.

Vice-chefe da ONU incentiva soluções para travar efeitos da alteração climática 

Amina Mohamed pede transformação da economia global para modelo mais sustentável; representante elogiou ações de governos, do setor privado e da sociedade civil.

A vice-secretária-geral da ONU disse estar ao alcance de todos tornar 2019 o "ano de soluções transformadoras" e "evitar os efeitos desastrosos da mudança climática" contra os ecossistemas, a economia global, a saúde e a segurança.

Amina Mohammed falava esta quinta-feira aos delegados da Assembleia Geral das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Unea, que acontece em Nairóbi, no Quênia.

Soluções

A representante disse ter sido inspirada por ideias discutidas na conferência em apoio à campanha em busca soluções inovadoras para desafios ambientais. A iniciativa #SolveDifferent, ou solucionar diferente em tradução livre, é coordenada pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente, Pnuma.

No órgão que toma decisões ao mais alto nível sobre o meio ambiente, a vice-chefe da ONU falou dos modelos tradicionais de consumo e produção baseados em recursos naturais baratos e ilimitados, onde produtos são fabricados, consumidos e depois descartados.

Mohammed apelou aos chefes de Estado e ministros que participam do evento a “transformar a economia global para um modelo que permite a administração cuidadosa e que penaliza o desperdício e a poluição".

Banco Mundial/Dominic Chavez
Entre os desafios enfrentados na vida das cidades no século 21 está a mudança climática.

Minerais

Os exemplos dessa abordagem incluem os impactos ambientais e de saúde prejudiciais associados à extração de metais que são usados ​​em telefones celulares. As outras práticas envolvem milhões de toneladas de resíduos plásticos descartados nos oceanos e a quantidade de lixo eletrônico gerada todos os anos.

Para Amina Mohammed, a solução da ONU para desencorajar um sistema insustentável que causa danos ao meio ambiente “é mudar a percepção de que é necessário esgotar os recursos naturais para fazer crescer a economia”.

Ela disse haver maiores benefícios trazidos à economia com abordagens inovadoras sobre “como comemos, compramos, viajamos e descartamos o lixo. ”

Para a ONU, essa grande mudança desencorajaria um modelo obsoleto, criando produtos mais duráveis e garantindo que todos os produtos sejam reciclados ou reutilizados.

ONU Habitat/Julius Mwelu
Nairobi, capital do Quênia.

Consumo

Como boas práticas, Amina Mohammed mencionou ações de governos, do setor privado e da sociedade civil que incluem redes de hotéis comprometidas em reduzir pela metade o consumo de água e o desperdício.

Exemplos da Índia e da Costa Rica têm por base o compromisso de eliminar plásticos descartáveis.

Outro modelo é o projeto das Ilhas Kiribati baseado em uma técnica de cultivo que carece de solo, usando simplesmente água para produzir alimentos.

Mohammed disse ter chegado o momento para dar um “grande salto de ambição”, no âmbito da Cimeira do Clima prevista para as Nações Unidas, em setembro. A meta do evento convocado pelo secretário-geral, António Guterres, é impulsionar o combate às alterações climáticas.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Danos ao planeta representam um risco crescente para a saúde, alerta o Pnuma

Novo relatório do Pnuma recomenda que se mantenham normas de proteção ambiental para evitar milhões de mortes prematuras até 2050;  impacto de substâncias poluentes  ameaça fertilidade humana e desenvolvimento infantil.

ONU apoia capacitação de mulheres para enfrentarem efeitos da mudança climática no Sudão

Projeto-piloto promove treinamento das beneficiárias nas áreas de agricultura, gerenciamento de recursos naturais e resolução de conflitos; mudança climática faz com que cada vez mais mulheres assumam o papel de provedoras do lar.