ONU pede mais apoio da comunidade internacional para os sírios

13 março 2019

Cerca de 11,7 milhões de pessoas precisam de alguma forma de ajuda humanitária e proteção; 83% dos sírios vivem abaixo da linha da pobreza e as pessoas estão cada vez mais vulneráveis; conferência internacional começa esta quinta-feira em Bruxelas.

As Nações Unidas lembram que a crise na Síria ainda não terminou e apelaram “à manutenção e apoio em larga escala a sírios vulneráveis, refugiados e às comunidades que os acolhem.”

O apelo foi feito na véspera da Conferência de Bruxelas sobre o Futuro da Síria e da Região que reunirá os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, representantes do sistema da ONU e outros parceiros.

Necessidades

Cerca de 6,2 milhões de pessoas estão deslocadas no país e mais de 2 milhões de meninos e meninas estão fora da escola.Unicef/ Grove Hermansen

À medida que a crise entra no seu nono ano, as necessidades humanitárias dentro da Síria permanecem em níveis recordes. Atualmente, 11,7 milhões de pessoas precisam de alguma forma de ajuda humanitária e proteção.

Cerca de 6,2 milhões de pessoas estão deslocadas no país e mais de 2 milhões de meninos e meninas estão fora da escola. Estima-se que 83% dos sírios vivem abaixo da linha da pobreza e as pessoas estejam cada vez mais vulneráveis ​​devido à perda ou à falta de meios de subsistência sustentados.

O subsecretário-geral da ONU para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, recorda que “sem uma injeção imediata e substancial de fundos, o fornecimento de recursos que salvam vidas como alimentos, água, assistência médica, abrigo e serviços de proteção provavelmente será interrompido."

Para o representante é “vital que a comunidade internacional permaneça ao lado de todas as mulheres, homens, meninas e meninos na Síria que precisam de ajuda para atender às necessidades básicas de uma vida digna.”

Refugiados

O longo conflito está também a impulsionar a maior crise de refugiados do mundo. Existem mais de 5,6 milhões de refugiados sírios.

A ONU  procura agora aumentar o financiamento, estimando que são necessários US$ 3,3 bilhões para conseguir dar resposta às necessidades humanitárias na Síria, e ao plano de resgate e resiliência de US$ 5,5 bilhões para os países vizinhos.

O alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, destaca que está “profundamente preocupado com a crescente lacuna entre as enormes necessidades e o apoio disponibilizado para aos refugiados.”

Grandi afirmou ainda que caso haja menos assistência devido a cortes no financiamento “os refugiados são forçados a fazer escolhas agonizantes todos os dias, como tirar as crianças da escola para trabalhar ou reduzir o número de refeições.”

Apelo

A ONU procura agora aumentar o financiamento, estimando que são necessários US$ 3,3 bilhões para conseguir dar resposta às necessidades humanitárias na Síria.ONU Síria

As Nações Unidas apelam, por isso, que “a comunidade internacional continue o curso de apoio aos milhões de refugiados sírios que vivem nos países vizinhos e ainda precisam de proteção e assistência.”

Um apoio que para a ONU deve também ser estendido às comunidades anfitriãs locais e aos governos “que têm abrigado milhões de refugiados sírios nos últimos oito anos.”

O administrador do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud, Achim Steiner, é outro dos participantes na conferência e destaca que “a pobreza está a aumentar, as infraestruturas básicas de serviços foram danificadas ou destruídas e o tecido social foi pressionado até o limite.”

Para ele, “os governos anfitriões e as comunidades dos países vizinhos da Síria precisam de apoio para manter o curso de estender sua generosidade aos refugiados e, ao mesmo tempo, manter o ímpeto do seu próprio caminho de desenvolvimento.”

Financiamento

Segundo a ONU, apesar do generoso financiamento dos doadores em 2018, apenas 65% dos US$ 3,4 bilhões necessários foram recebidos. O plano regional de refugiados e resiliência que solicitou US$ 5,6 bilhões para 2018 teve uma taxa de execução de apenas 62%.

Os três diretores das Nações Unidas deixam um apelo conjunto de que “a comunidade de doadores internacionais que se comprometam generosamente em 2019, durante a conferência de alto nível” de quinta-feira.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

2018 foi o ano mais mortal para as crianças na Síria desde o início do conflito

Dados do Unicef indicam que 1.106 crianças teriam sido mortas no país; para diretora executiva do Fundo das Nações Unidas para a Infância, “cada dia que o conflito continua é outro dia roubado da infância delas.”

OMS calcula que 13 milhões de pessoas precisam de assistência médica na Síria

Altos custos de transporte, insegurança e estradas bloqueadas impedem movimento de pacientes; cobertura vacinal continua fraca apesar da imunização em massa apoiada pela agência.