ONU presta tributo às vítimas de acidente de avião que caiu após decolagem na Etiópia
BR

11 março 2019

Ao falar a delegados em evento da ONU em Nova Iorque, secretário-geral enviou "mais profundas condolências" aos parentes e entes queridos das vítimas morreram; pelo menos 21 funcionários da organização e de agências do Sistema da ONU morreram no incidente.

Durante a abertura da Comissão sobre o Estatuto da Mulher nesta segunda-feira na sede das Nações Unidas em Nova Iorque, o secretário-geral prestou tributo às vítimas da queda do Boeing 737 da Ethiopian Airlines. António Guterres disse que este é "um dia triste para muitos em todo o mundo, e para a ONU em especial."

Mais de 150 pessoas morreram a bordo do avião, que caiu no domingo após decolar da capital etíope, Addis Abeba. Entre as vítimas, estão pelo menos 21 funcionários da organização e de agências do Sistema da ONU.

Falando aos delegados da reunião, o chefe da ONU disse que "nossos colegas eram mulheres e homens, profissionais juniores e funcionários experientes, vindos de todos os cantos do mundo e com uma ampla gama de conhecimentos". Guterres acrescentou que "todos eles tinham uma coisa em comum, um espírito para servir as pessoas do mundo e torná-lo um lugar melhor em geral.”

Secretário-geral das Nações Unidas falando na abertura da 63ª Sessão da Comissão sobre o Status da Mulher na sede da ONU em Nova Iorque.
Secretário-geral das Nações Unidas falando na abertura da 63ª Sessão da Comissão sobre o Status da Mulher na sede da ONU em Nova Iorque. Foto: ONU Photo/Evan Schneider

Minuto de Silêncio

O secretário-geral estendeu as "mais profundas condolências" aos parentes e entes queridos de todos aqueles que morreram. Ao concluir, António Guterres adicionou: "vamos honrar a memória de nossos colegas, mantendo seus espíritos de serviço vivos".

Logo após todos os presentes fizeram um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do acidente.

A presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa, disse que seus pensamentos estão com as famílias e amigos de todos que morreram no acidente. Ela também enviou suas condolências aos governos da Etiópia e do Quênia, assim como a todos os países que perderam seus cidadãos.

Espinosa acrescentou que as memórias dos colegas serão honradas ao se continuar trabalhando em direção aos mesmos valores e princípios da ONU que sustentam a missão pela qual eles perderam suas vidas.

Perda

Em Nairóbi, a diretora geral do escritório da ONU no país, Maimunah Mohd Sharif, falou sobre sua “grande tristeza e choque”. Ela disse que “as Nações Unidas e seus Estados-membros sofreram uma enorme perda.  

Nesta segunda-feira as bandeiras em escritórios das Nações Unidas no mundo foram erguidas a meio mastro para lembrar os trabalhadores da organização e de agências do Sistema da ONU que morreram na queda do avião.

De acordo com dados divulgados pela companhia aérea, pessoas de mais de 35 nacionalidades estavam no acidente. O Quênia foi o país que teve o maior número de vítimas, com 32 cidadãos a bordo do avião, seguidos por 18 canadenses e nove etíopes.

O avião Boeing 737 Max 8, com destino à capital queniana Nairóbi, decolou às 8h44, do horário local, e seis minutos depois perdeu o contato com o controle de tráfego aéreo no Aeroporto Internacional de Bole, em Addis Abeba. 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud