ONU apoia capacitação de mulheres para enfrentarem efeitos da mudança climática no Sudão
BR

11 março 2019

Projeto-piloto promove treinamento das beneficiárias nas áreas de agricultura, gerenciamento de recursos naturais e resolução de conflitos; mudança climática faz com que cada vez mais mulheres assumam o papel de provedoras do lar.

Em Al-Radah, no estado de Kodorfan Norte no Sudão, cada vez mais mulheres que tradicionalmente eram responsáveis pelo cuidado das crianças e da casa agora estão se envolvendo em atividades tipicamente praticadas pelos homens. Entre os motivos estão a mudança climática e a degradação do meio ambiente.

Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, assim como em muitas outras regiões do Sahel, Al-Radah está sofrendo com o aumento das temperaturas, da distribuição desigual e variabilidade das chuvas e das secas.

Sudão está sofrendo com os efeitos da mudança climática e a degradação do meio ambiente, by Foto: Unamid/Saeed Salim

Emprego

Este novo cenário tem afetado a subsistência dos pastores de gado e agricultores, forçando os homens a migrar para a capital ou outras cidades em busca de emprego.

Com isso, as mulheres estão tendo que assumir o papel de provedores. Alugando terras para seus rebanhos e plantações, elas estão conseguindo vender mercadorias e garantir uma pequena renda.

Programa

Para ajudar essas mulheres a lidar com os efeitos da mudança climática, uma iniciativa está sendo desenvolvida em conjunto pelo Pnuma, pela ONU Mulheres e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud.

Através do programa “Promovendo Abordagens Responsivas de Gênero à Gestão de Recursos Naturais para a Paz”, mulheres no Sudão estão recebendo treinamento nas áreas de agricultura, gerenciamento de recursos naturais e resolução de conflitos.

Esta é a primeira vez que o projeto conjunto é implementado. De acordo com a coordenadora do programa, Silja Halle, “são as mulheres que ficam na linha de frente tanto da mudança climática quanto do conflito” relacionado a este processo.

Treinamento

Por dois anos o projeto tem treinado mulheres a usarem técnicas de agricultura irrigada pela chuva, a plantarem goma arábica, um alimento básico da região, a adquirirem terras através da Administração Nativa e sementes de gergelim e sorgo do Ministério da Agricultura, além de acessarem ao crédito de instituições financeiras locais.

Uma pesquisa após o encerramento do projeto revelou que 87% das mulheres participantes relataram um aumento na renda com os produtos vendidos nos mercados e que as hortas nos fundos das casas delas produziram o suficiente para suprir as necessidades diárias. 

De acordo com o Pnuma, as fazendas cooperativas também reuniram mulheres dos grupos agrícolas e nômades, criando uma maior unidade social e facilitando as discussões sobre a gestão dos recursos naturais.

Recursos Naturais

Após o término do projeto, por iniciativa própria, as mulheres locais mobilizaram suas comunidades e autoridades locais, o Ministério da Agricultura e a Corporação Nacional Florestal, para plantar 6.000 árvores para ajudar ainda mais a combater a degradação do solo.

Para o Pnuma, o projeto demonstrou claramente que, no contexto da mudança climática, os recursos naturais são um forte ponto de entrada para a inclusão das mulheres na construção da paz e que a incorporação delas pode levar à paz sustentada.

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud