Dia Internacional da Mulher reúne líderes da ONU em apelo por mais inovação
BR

8 março 2019

Tema deste 8 de março é “Pense Igual, Desenvolva Inteligência, Inove para Mudar”; Nações Unidas falam de trilhões de dólares que poderiam apoiar o desenvolvimento se houvesse participação igualitária das mulheres na força de trabalho.

“Pense Igual, Desenvolva Inteligência, Inove para Mudar” é o tema do 8 de março, Dia Internacional da Mulher, neste ano. A celebração reuniu várias vozes das Nações Unidas em mensagem de homenagem às mulheres pela data oficializada pela organização em 1975. 

Participação igualitária das mulheres na força de trabalho liberaria trilhões de dólares para o desenvolvimento global. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Para o secretário-geral, António Guterres, “o empoderamento das mulheres e a igualdade de gênero são essenciais para o progresso global”.  

Guterres lembra que pela primeira vez, no ano passado foi alcançada a paridade de gênero no Grupo de Gestão Sênior da ONU e entre aqueles que lideram equipes das Nações Unidas em todo o mundo”.

Paridade 

O secretário-geral destaca que a organização trabalha para alcançar a paridade em todo o Sistema da ONU dentro de uma década.

Na mensagem, a vice-secretária-geral, Amina Mohammed defende que a igualdade de gênero é essencial para a eficácia do trabalho da organização e que o mundo não se pode “dar ao luxo de perder as contribuições de metade da população”.

Para a representante, “a participação igualitária das mulheres na força de trabalho liberaria trilhões de dólares para o desenvolvimento global”. Mohammed disse ainda que está claro que não pode ser construído o futuro que queremos e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável sem a plena participação das mulheres”.

As Nações Unidas sugerem que para que seja alcançada a plena igualdade de gênero no mundo é preciso inovações sociais que beneficiem mulheres e homens e que não seja deixado ninguém para trás.

Impacto

As propostas para alcançar as metas da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável incluem inovações como plataformas de aprendizado eletrônico para aumentar a presença feminina em salas de aula, centros de cuidados infantis acessíveis e de qualidade e tecnologia com impacto na vida de mulheres.  

Para a presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa, é preciso “mais participação de líderes femininas na vida pública e que estas tomem decisões”. A representante quer esforços redobrados “contra a discriminação e a violência enfrentada por mulheres e meninas todos os dias”.

Para o secretário-geral, António Guterres, “o empoderamento das mulheres e a igualdade de gênero são essenciais para o progresso global”. Foto: Eric Ganz

A diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, destacou que existem muitos desafios em todo o mundo para mulheres e meninas e que “as mudanças começam com a certeza de que suas necessidades e experiências sejam integradas e reforçadas por novas tecnologias e inovações”.

Sonhos

A enviada da  ONU Juventude para a ONU, Jayathma Wickramanayake, chama a atenção para os milhões de jovens que se preparam para começar sua vida profissional e muito frequentemente “não têm a oportunidade de realizar seus sonhos e crescer em seu poder.”

O apelo é que haja investimento na educação e em competências femininas, “para que mulheres se tornem líderes e inovadoras que nasceram para ser”.

 

 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Diferença entre homens e mulheres no mercado de trabalho teve pequena baixa em 20 anos

OIT revela que mulheres recebem um quinto a menos que homens; diretor do Escritório da agência em Nova Iorque diz que não há o que celebrar quanto à igualdade de gênero no setor laboral no 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Número de deputadas nos Parlamentos nacionais cresceu 0,9% em 2018

Estudo da União Interparlamentar revela que 24,3% são mulheres; continente americano continua a liderar em termos da participação média feminina nas assembleias legislativas; Ruanda continua a ser país com mais deputadas.