Preço dos alimentos subiu 1,7% em um mês

7 março 2019

FAO revela que alta foi impulsionada pelo custo dos laticínios; baixa produção e aumento do custo da gasolina no Brasil tiveram impacto no aumento dos custos do açúcar; produção mundial de cereais deve atingir 2,609 bilhões de toneladas.

Os preços dos alimentos mundiais aumentaram em média 167,5 pontos em fevereiro, ou 1,7%, comparados a janeiro.

A subida foi impulsionada pelo custo dos laticínios, segundo o Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO. A análise divulgada esta quinta-feira mede as variações mensais nos grupos de cereais, oleaginosas, laticínios, carnes e açúcar.

O aumento nos preços da gasolina no Brasil também teve impacto nas cotações internacionais de preços do açúcar. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Produtores

O índice de preços do açúcar subiu 2,2 pontos, ou 1,2%, para uma média de 184 pontos. Essa variação refletiu principalmente as preocupações com as previsões de produção em alguns dos principais países produtores.

Houve ainda uma diminuição da previsão da produção de açúcar na Índia para o período entre 2018 e 2019, que deve contrair 5% em relação ao ano anterior. No Brasil, a produção diminuiu 26% entre outubro e janeiro.

O aumento nos preços da gasolina no Brasil também teve impacto nas cotações internacionais de preços do açúcar. Essa situação levou ao uso de mais cana-de-açúcar em usinas brasileiras para a produção de etanol, em vez de açúcar.

Apesar da alta, o índice está ainda 2,3% abaixo do nível apresentado no mesmo período do ano passado.

Importação

Em relação ao índice de preços do leite, a FAO anunciou um aumento de 5,6% em relação a janeiro. Entre as razões estão a forte demanda de importação de leite em pó desnatado, do leite em pó integral e do queijo.

Quanto aos preços do óleo vegetal, a agência aponta um aumento de 1,8% em relação a janeiro, enquanto o índice de cereais teve um aumento marginal. O índice de preço da carne também foi ligeiramente mais forte.

A FAO reduziu ainda a previsão da produção mundial de cereais feita em 2018 para 2,609 bilhões de toneladas, contra os 2,611 bilhões previstos há um mês.

Pela primeira vez, a nota informativa sobre oferta e demanda de cereais prevê uma produção mundial de trigo de 757 milhões de toneladas em 2019. Essa quantidade está 4% acima do nível do ano passado, mas ainda aquém do recorde de 2017.

FAO/ Alessandra Benedetti
Pela primeira vez, a nota informativa sobre oferta e demanda de cereais prevê uma produção mundial de trigo de 757 milhões de toneladas em 2019.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Novo centro africano vai promover merenda escolar com o apoio do Brasil

Diretor do Centro de Excelência Contra a Fome no Brasil disse à ONU News que cooperação técnica substitui doação de alimentos; continente tem 39 países que gerem programas administrados por governos para alimentar milhões de alunos.

Diretor-geral da FAO relaciona cidades, mudança climática e alimentação

O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, José Graziano da Silva, explica como as cidades têm um importante papel no fornecimento de alimentos de qualidade e saudáveis para a população e  o impacto da mudança climática na produção de alimentos no mundo.