Agência da ONU precisa urgentemente de US$ 464 milhões para alimentar 12 milhões de pessoas no Iêmen

Ali Mohammed Ahmed Jamal, de 12 anos, no hospital de Sanaa
Unicef/ UN0253355/Huwais
Ali Mohammed Ahmed Jamal, de 12 anos, no hospital de Sanaa

Agência da ONU precisa urgentemente de US$ 464 milhões para alimentar 12 milhões de pessoas no Iêmen

Ajuda humanitária

Ajuda será distribuída nos próximos seis meses; na terça-feira, a ONU organiza com os governos da Suécia e Suíça uma conferência de doadores para ajudar o país.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, precisa urgentemente de US$ 464 milhões para alimentar 12 milhões de pessoas no Iêmen nos próximos seis meses.

A agência das Nações Unidas fez o alerta dias antes da conferência de doadores sobre o país, que a ONU e os governos da Suécia e Suíça organizam na próxima terça-feira em Genebra.

Urgente

Saleh, de quatro meses, no hospital principal de Hodeida. Quase 500 mil crianças correm risco de morte devido a subnutrição grave.
Saleh, de quatro meses, no hospital principal de Hodeida. Quase 500 mil crianças correm risco de morte devido a subnutrição grave. , by Ocha/Giles Clarke

O porta-voz do PMA, Herve Verhoosel, disse que a agência pede a todos os países que “contribuam de forma generosa neste momento crucial para os milhões de iemenitas que enfrentam a prior crise humanitária do mundo.”

Segundo a agência, a sua assistência alimentar “é a única coisa entre o Iêmen e a fome.” Cerca de 20 milhões de pessoas, ou 70% da população, estaria em situação de insegurança alimentar grave sem ajuda humanitária.

A operação de emergência do PMA no país é a maior em todo o mundo. Em 2019, a agência pretende ajudar 12 milhões de pessoas todos os meses, um aumento de 50% em relação às metas do ano passado.

Cerca de 8,2 milhões de pessoas devem receber alimentos, 2,8 milhões receberão cupons e cerca de 1 milhão assistência financeira.

Financiamento

A agência diz que precisa de cerca de US$176 milhões todos os meses. Para todo o ano de 2019, tem neste momento uma falta no seu financiamento de US$1.5 bilhão.

Além de fundos, o PMA também pede acesso sem impedimento a todas as partes do país, para cumprir o objetivo de alimentar cerca de 40% da população todos os meses.

Sobre o acordo alcançado nos últimos meses sobre a cidade portuária de Hodeida, a agência diz esperar que permita o acesso a silos onde guarda 51 mil toneladas de alimentos, suficiente para alimentar 3,7 milhões de pessoas durante um mês.

Devido à violência e confrontos, estes alimentos não podem ser acessados desde setembro e podem estar se deteriorando.

Base de dados

O PMA também está implementando no país o mais ambicioso esquema de registo biométrico já desenvolvido pela agência. O processo começou no sul do país e deve continuar nos territórios do norte nos próximos meses.

A agência diz que a iniciativa deve “aumentar a transparência e responsabilização das operações, para assegurar que a comida certa chegue as pessoas certas na altura certa e de forma consistente.”