ONU capacita centenas de jovens em liderança comunitária na Guiné-Bissau

19 fevereiro 2019

População-alvo do projeto reflete sobre dificuldades na construção da paz; duas regiões acolheram conferências de cidadania, responsabilidade juvenil e promoção da paz; representante do Unicef qualifica as reflexões de inclusivas e participativas.*

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, reforça as capacidades de 300 adolescentes nas regiões guineenses de Gabú e Cacheu nos domínios de identidade, cidadania, prevenção de conflito e gestão de paz.

O projeto financiado com verbas do Fundo Para a Consolidação da Paz, é implementado pelas ONGs Anadec e Palmeirinha em 30 vilarejos. A meta é empoderar em 10 meses mais de mil jovens rurais a atuarem como líderes no processo de construção de paz nas comunidades.

Menina da segunda classe em Ponta Nova, na Guiné-Bissau, by Unicef/Pirozzi

Cidadania

No encerramento da conferência da cidadania para uma adolescência responsável e promotora da paz, que encerrou este domingo em Cacheu, a representante do Unicef, Christine Jaulmes, mostrou-se impressionada. Ela elogiou o nível de reflexão dos jovens em torno dos obstáculos a paz nas comunidades.

“Testemunhei hoje com muita satisfação e alegria a demonstração positiva das vossas capacidades da reflexão participativa, inclusiva e objetiva. O Unicef acredita no vosso potencial e no potencial de todas as crianças. Por isso compromete-se em continuar a trabalhar com o governo e a sociedade civil na busca e implementação de estratégias que garantam a cada criança o gozo dos seus direitos”.

Com ajuda da Referente Pedagógica da Essor, uma ONG internacional francesa, as crianças apontaram a desigualdade, a falta de justiça, da tolerância, do amor, da união e das infraestruturas como principais obstáculos para a consolidação da paz nos vilarejos chamados localmente de tabancas. 

Paz

O diretor executivo da ONG Anadec, que executa o projeto, conversou com a ONU News no norte da Guiné-Bissau sobre as fragilidades institucionais do país. Iancuba Indjai disse que mais vale prevenir do que remediar quando se trata de abordar conflitos.

“É verdade que a Guiné-Bissau tem sido considerada como país bastante instável, é preciso começar a trabalhar com esta camada para que possam intervir como agentes de paz. O país precisa de estabilidade, para que haja estabilidade é preciso trabalhar desde já na prevenção e não na reparação”.

Sede do Escritório Integrado de Construção da Paz das Nações Unidas na Guiné-Bissau, também conhecido como Uniogbis. Foto: Uniogbis

Sustentabilidade

O processo de consolidação da paz deve partir das comunidades, daí que para Iancuba Indjai a sustentabilidade de um edifício passa pela consistência do seu alicerce.

 A conferência regional de Cacheu recomendou a partilha equitativa das tarefas de casa entre meninas e meninos, a criação de infraestruturas por forma a suprir as faltas de escola, hospitais e estradas.

Outras recomendações incluem a promoção do dialogo, o combate às desigualdades e o respeito aos direitos do outrem.

ONU News
Processo de consolidação da paz deve partir das comunidades na Guiné-Bissau

 

*Amatijane Candé de Bissau para a ONU News.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conselho de Segurança retorna a Nova Iorque com promessa de apoio à Guiné-Bissau

Capital guineense acolheu os 15 Estados-membros na última etapa da visita à África Ocidental; diplomatas disseram acreditar que é preciso que campanha eleitoral se conclua de forma muito positiva com as eleições legislativas.

“Potencial enorme” de Angola e Guiné-Bissau mencionado por alta funcionária humanitária  

Em entrevista à ONU News, coordenadora das Nações Unidas na Líbia, Maria Ribeiro, abordou experiência dos dois países lusófonos onde já trabalhou; representante promove novo apelo humanitário em Nova Iorque.