FAO alerta sobre praga de gafanhotos do deserto no nordeste da África e Arábia Saudita
BR

18 fevereiro 2019

Surto teria sido provocado por chuvas fortes; pequeno enxame de gafanhotos chega a consumir quantidade de alimentos suficiente para alimentar 35 mil pessoas no mesmo período.

Os gafanhotos do deserto formam a peste migratória mais perigosa do mundo. Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a FAO, com o vento, o inseto é capaz de voar até 150 quilômetros em um dia.

A agência da ONU informou que chuvas fortes e ciclones que aconteceram recentemente fizeram aparecer este tipo de gafanhoto, provocando o desenvolvimento de um surto no Sudão e na Eritréia. A praga estaria se espalhando rapidamente por ambos os lados do Mar Vermelho para a Arábia Saudita e o Egito. 

As fêmeas dos gafanhotos do deserto podem colocar até 300 ovos durante a vida. , by Foto: FAO/G.Tortoli

Infestação

A FAO pediu a todos os países afetados que aumentem a vigilância e estratégias de controle para conter a infestação destrutiva e proteger as plantações da peste.

Boas quantidades de chuva ao longo das planícies costeiras do Mar Vermelho na Eritréia e no Sudão teriam permitido a procriação de duas gerações de gafanhotos desde outubro, levando a um aumento substancial e à formação de enxames.

Mar Vermelho

No meio de janeiro deste ano, pelo menos um enxame teria cruzado o Mar Vermelho para a costa norte da Arábia Saudita. Uma semana após este movimento ocorreram outras migrações. 

No final do mês grupos de insetos adultos e alguns enxames também teriam se movido para o norte ao longo da costa, para o sudeste do Egito. Alguns deles já teriam chegado aos Emirados Árabes Unidos e ao sul do Irã, com um risco potencial de se espalhar ainda mais em direção à fronteira da Índia com o Paquistão.

Pulverização

Operações de pulverização aérea foram realizadas no Sudão e na Arábia Saudita. Estas foram suplementadas por medidas de controle em terra em ambos os países, assim como na Eritreia e no Egito, com um tratamento de mais de 80 mil hectares desde dezembro.

De acordo com o responsável sênior da FAO sobre a previsão de gafanhotos, Keith Cressman, “os próximos três meses serão críticos controlar a situação dos gafanhotos, antes do início da procriação do verão.”

Controle

Até 21 fevereiro, a FAO realiza uma reunião de cinco dias com os países afetados para revisar a situação atual. O objetivo é intensificar as inspeções e operações de controle. 

De acordo com a agência da ONU, a procriação continuará em fevereiro na costa do Mar Vermelho no Sudão e na Eritréia, provocando um aumento ainda maior nos grupos e enxames de insetos adultos. 

Segurança Alimentar

A espécie dos gafanhotos do deserto tem chifres curtos que podem formar grandes enxames e ameaçar as produções agrícolas, a subsistência, a segurança alimentar e o desenvolvimento ambiental e econômico.

As fêmeas podem colocar até 300 ovos durante a vida. Um enxame pequeno chega a consumir a mesma quantidade diária de alimentos suficiente para 35 mil pessoas no mesmo período.

A FAO destaca o impacto arrasador que os gafanhotos podem ter nas plantações e que estes são uma ameaça para a segurança alimentar, principalmente em áreas que já são vulneráveis.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Papa Francisco pede inovações tecnológicas para combater pobreza e fome

Líder religioso participou na abertura do 42º Conselho Diretor do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola; encontro acontece em Roma esta quinta e sexta-feira.

Fome aumenta na África e afeta mais de 257 milhões de pessoas

Relatório menciona progressos substanciais de Angola na redução da subnutrição; com 30%, Moçambique tem maior proporção de desnutridos entre lusófonos africanos; subnutrição afeta um quinto da população africana.