Acnur “profundamente preocupado” com impacto da violência no Mianmar

Como parte dos esforços interinstitucionais, o Acnur anunciou que está preparado para apoiar a resposta humanitária nas áreas afetadas.
OIM/Olivia Headon
Como parte dos esforços interinstitucionais, o Acnur anunciou que está preparado para apoiar a resposta humanitária nas áreas afetadas.

Acnur “profundamente preocupado” com impacto da violência no Mianmar

Ajuda humanitária

Hostilidades agravam situação humanitária nos estados de Chin e de Rakhine; escalada de violência está a gerar mais deslocados e refugiados; Bangladesh já recebeu 720 mil refugiados desde 2017.

A Agência das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, informou que está “profundamente preocupada com o impacto humanitário da violência contínua” que se vive no sul do estado de Chin e do estado de Rakhine, em Mianmar.

Em declarações aos jornalistas, em Genebra, o porta-voz do Acnur, Andrej Mahecic, informou que a agência “está ciente dos relatos de escalada de violência e da deterioração da situação de segurança” naquelas regiões.

Apoio

O responsável explicou que as hostilidades têm levado ao aumento do “deslocamento interno e a um maior número de recém-chegados vindos do Mianmar em busca de segurança na região fronteiriça de Bandarban, em Bangladesh.”

Como parte dos esforços interinstitucionais, o Acnur anunciou que está preparado para apoiar a resposta humanitária nas áreas afetadas.

A agência também ofereceu o seu apoio ao governo de Bangladesh para avaliar e responder às necessidades das pessoas que procuram um lugar seguro e fogem da violência em Mianmar.

Apelo

Durante o encontro com os jornalistas, Mahecic agradeceu ainda ao Governo de Bangladesh pela sua “generosidade e liderança” em receber mais de 720 mil refugiados de Mianmar desde agosto de 2017.

O Acnur apelou às autoridades daquele país que continuem a permitir que as pessoas que fogem da violência entrem no Bangladesh.