Aumento de financiamento permite levar ajuda a mais pessoas de forma mais rápida
BR

15 janeiro 2019

Programa Mundial de Alimentos diz que as chamadas doações não vinculadas ou flexíveis permitem responder a crises súbitas e esquecidas; valores para uso em várias crises cresceram no ano passado, mas continuam longe das metas estabelecidas.

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, PMA, recebeu US$ 440 milhões de financiamento flexível em 2018, um aumento de 10% em relação ao ano anterior.  

Estas contribuições flexíveis permitem que o PMA use fundos “onde e quando as necessidades são maiores”, para responder ao aparecimento súbito de emergências, bem como meios para a assistência em crises esquecidas e prolongadas.

As contribuições flexíveis permitem que o PMA use fundos “onde e quando as necessidades são maiores”. Foto: PMA/Gabriela Vivacqua

Usos

Na região  africana do Sahel, estes fundos permitiram iniciar a resposta na pior época de escassez dos últimos quatro anos, chegando a mais de 3 milhões de pessoas e evitando uma grande crise alimentar.

Este dinheiro também ajudou o PMA a prestar assistência a quase 900 mil refugiados rohingya em Bangladesh, ampliar o apoio aos deslocados na Colômbia e ajudar agricultores que enfrentam secas severas em Madagáscar.

Em nota, o diretor executivo do PMA, David Beasley, disse que "o financiamento flexível permite ser mais oportuno, eficaz e eficiente, proporcionando o máximo impacto para cada contribuição."

Beasley afirmou que “vários parceiros governamentais estão vendo a diferença que este financiamento faz e como reduz os custos.” Ele apelou a mais doações deste tipo, que seja previsível e possivel de utilizar ao longo de vários anos.

PMA/Marco Frattini
David Beasley, Chefe do Programa Mundial de Alimentos, em visita Sanaa, capital do Iémen

Meta

Em 2016, na Cimeira Humanitária, os principais doadores assinaram um acordo em que se comprometeram a reduzir fundos para crises específicas, criando a meta global de 30% para financiamento humanitário flexível até o ano 2020.

Apesar desse compromisso, o PMA diz que os governos que fornecem apoio multilateral ainda são uma minoria. Este ano, o tipo de contribuições representou 6% do total de recursos do PMA, bem abaixo do valor de 20% por cento em 2002.

Suécia, Reino Unido, Holanda, Alemanha, Noruega, Dinamarca, Austrália, Canadá, Irlanda e Bélgica foram os paises que mais apoiaram este processo de financiamento flexível do PMA em 2018.

Os principais doadores da Conta de Resposta Imediata do PMA foram Suíça, Alemanha, Bélgica e Canadá.

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

China doa US$ 7 milhões para combater fome no Sudão do Sul

Programa Mundial de Alimentos precisa com urgência de US$ 179 milhões para os seis primeiros meses do ano; 5,2 milhões de pessoas poderão estar em situação de insegurança alimentar grave entre janeiro e março de 2019.

PMA alerta para uso indevido de alimentos destinados a pessoas que passam fome no Iémen

Agência da ONU exige ação depois de descobrir irregularidades; milhões de pessoas dependem da assistência alimentar para sobreviver; PMA quer revisão do sistema de assistência.