Orgão da ONU anti-corrupção na Guatemala responde a governo do país 

14 janeiro 2019

Chefe da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, Cicig, enviou carta ao secretário-geral; responsável diz que campanhas de difamação aumentaram com a apresentação de casos envolvendo políticos de alto nível e atores econômicos. 

Em carta enviada ao secretário-geral da ONU, António Guterres, o chefe da Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala, Cicig, respondeu às acusações feitas pelo governo para justificar a decisão de expulsar a Comissão do país.

Iván Velásquez disse que, "desde a sua criação em 2007, a Cicig trabalhou resolutamente, de acordo com o seu mandato, acompanhando instituições nacionais, para identificar e desmantelar organizações ilegais e aparelhos clandestinos de segurança, bem como promover reformas legais e institucionais para evitar o seu reaparecimento." 

Trabalho

Como resultado deste trabalho, a Comissão apoiou mais de 100 casos perante os tribunais nacionais, identificou mais de 60 estruturas criminosas, obteve mais de 300 condenações e promoveu mais de 34 reformas legais.

Agradecendo a Guterres por apoiar consistentemente o trabalho da Cicig, Velásquez destacou que, apesar deste trabalho, "campanhas de difamação, difamação e ameaças aumentaram desde a apresentação de casos envolvendo políticos de alto nível e atores econômicos. "

Segundo ele, "isso é previsível em uma entidade que tem o objetivo de atacar estruturas que usam o Estado para lucrar e se recusam a perder privilégios obtidos ilegalmente e ilegitimamente."

Velásquez escreve que "a luta contra a corrupção enfrenta oposição em todos os cantos do planeta, mas isso não deve impedir os esforços globais de atacar esse flagelo que impede o desenvolvimento de países e democracias".

Acusações

Em um documento de 10 páginas anexo à carta, o responsável responde em detalhes a uma dúzia de acusações feitas pelo governo de Evo Morales.

A lista inclui uma denúncia sobre a alegada interferência da Cicig nos assuntos internos da Guatemala, promovendo reformas constitucionais na área do fortalecimento da justiça, argumentando que "o acordo que estabelece a Comissão inclui expressamente em seus poderes a promoção de reformas legais e institucionais que impeçam a ação e o reaparecimento de corpos ilegais e aparelhos clandestinos de segurança. "

A acusação de abuso de uso da força nas buscas realizadas em 2016 nas secretarias de Assuntos Administrativos e de Segurança também é mencionada no documento.

Velásquez lembra que "de acordo com a legislação guatemalteca, pesquisas são solicitados pelo Ministério Público e autorizados pelo juiz competente e a Cicig, em sua função de suporte técnico, acompanha certos atos processuais e procedimentos que as autoridades nacionais realizam, incluindo os ataques.”

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres rejeita decisão da Guatemala de terminar acordo de cooperação na área da impunidade

Secretário-geral encontrou-se com ministra das Relações Exteriores da Guatemala na sede da ONU em Nova Iorque; chefe da ONU pede que país cumpra integralmente suas obrigações legais.