Fórum de Doha: Guterres fala de desafios de sociedades cada vez mais fragmentadas

16 dezembro 2018

Secretário-geral diz haver défice de confiança entre pessoas, instituições políticas, países e organizações internacionais; chefe da ONU alerta que é preciso preparação para avanços tecnológicos no encontro com políticos em Catar.

O secretário-geral das Nações Unidas disse este domingo que o multilateralismo é questionado precisamente quando é mais necessário.

As declarações de António Guterres foram  feitas no Fórum de Doha, no Catar, onde sublinhou que esse paradoxo resulta do “enorme déficit de confiança”. A plataforma que reúne líderes globais promove o diálogo sobre os desafios globais.

Sociedades

Para o chefe da ONU,  o mundo está mais conectado, mas as sociedades estão cada vez mais fragmentadas e com os desafios crescendo, “muitas pessoas estão se voltando para dentro”.

Essa falta de confiança é, para Guterres, possível de observar  em níveis de “confiança entre pessoas e instituições políticas. Confiança entre os países. Confiança em organizações internacionais, ou seja, na própria ONU”.

O secretário-geral destacou que muitos aproveitam essa alienação e desconfiança. Para o secretário-geral, a “marca mais vendida no mundo hoje é chamada de medo que vence classificações,  ganha votos e está gerando cliques”.

UN Photo/Manuel Elias
Guterres explicou os desafios da tecnologia de inteligência artificial.

O representante citou tensões geopolíticas causadas pelo aumento da desigualdade, a estagnação ou declínio nos rendimentos, a escalada de disputas comerciais e a dívida crescente. O resultado é um aumento da pressão sobre a economia global e encobrimento da estabilidade e da coesão social em muitos países do mundo.

Plano para Globalização

Guterres disse que perante um mundo marcado por desigualdades, existe o plano para essa globalização justa: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável endossada por todos os países do mundo.

Para o representante, é essencial que os Estados trabalhem para a criação de uma arquitetura multipolar, para estabelecer fatores de equilíbrio, que reduzam os riscos de confronto. Ao mesmo tempo devem restaurar um sistema multilateral de governança e uma ordem baseada em regras, no Estado de direito e no respeito aos direitos humanos.

Guterres destacou a capacidade de prevenir conflitos como sendo “mais importante do que nunca”. Para ele, o reforço da diplomacia, mas também da prevenção e da manutenção da paz devem ser o principal instrumento comum.

Avanços

Guterres alertou para riscos como possíveis acidentes genéticos, uso da internet por terroristas e redes criminosas internacionais enquanto acontecem avanços tecnológicos que mudam a vida de milhões de pessoas para melhor.

O discurso também destaca que haverá desafios ao mercado de trabalho como parte da contribuição da inteligência artificial para que sejam cumpridos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, e seja criada riqueza para todos.

Para ele, haverá uma enorme quantidade de empregos criados e muitos empregos destruídos. O chefe da ONU sugere que a preparação para enfrentar esse cenário envolve um investimento massivo em educação, uma nova geração de redes de apoio e segurança, além da mobilização do governo, da sociedade civil e todas as partes.

Inscreva-se aqui para receber notícias da ONU News por email

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres reconhece avanços da COP24 mas faz “apelo dramático” a mais ambição

Líder da ONU pede às partes que encontrem uma forma de equilíbrio para todos os países; vulnerabilidade dos Estados insulares deve servir de exemplo; livro de regras de implementação do Acordo de Paris deve ser acordado o quanto antes.

Guterres alerta para ascensão de formas de ódio

ONU marca 70 anos da Convenção contra o Genocídio; secretário-geral pede à comunidade internacional que dialogue para evitar novos casos; 45 Estados membros ainda não ratificaram o tratado.