FAO faz apelo por aumento de resposta às mudanças climáticas no setor agrícola
BR

13 dezembro 2018

Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 2, Fome Zero, foi foco de evento paralelo de alto nível na COP24; FAO acredita que “esforços para acabar com a fome se serão mais desafiadores se aquecimento atingir 2 °C”.

O mundo precisa aumentar a resposta às mudanças climáticas, em particular, nos setores agrícolas. Esta foi a observação da diretora-geral adjunta da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, Maria Helena Semedo, em evento paralelo de alto nível que ocorreu nesta quarta-feira, na COP24.

A Conferência das Partes da Convenção sobre Mudança do Clima, que acontece em Katowice, no Marrocos, encerra este sábado.

A diretora-geral adjunta da FAO chamou atenção para os crecentes níveis da fome, impulsionados pelos impactos da mudança climática, by Foto: FAO/Pius Utomi Ekpei

Para Semedo, a reposta irá exigir investimentos em planejamento de políticas multissetoriais, implementação de capacidade, pessoas, dados, inovações e em liderança, especialmente para mulheres.

Fome Zero

O foco do evento de alto nível foi o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável número 2, a Fome Zero. A diretora-geral adjunta da FAO chamou atenção para os crecentes níveis da fome, impulsionados pelos impactos da mudança climática, conflitos e desaceleração econômica. Para ela, os “esforços para acabar com a fome se tornarão mais desafiadores se o aquecimento atingir os 2 °C.”

Semedo destacou que “ainda é possível alcançar a Fome Zero”, acrescentando que para se ter sucesso neste sentido é essencial “definir ações transformativas que reformulem o sistema alimentar, a sustentabilidade e a igualdade para todos.”

Conservação

Ela também apontou a importância da conservação dos ecossistemas para proteger o meio ambiente e lidar com os impactos da mudança climática. Para Semedo, “os solos, florestas e oceanos são aliados no apoio efetivo da mitigação da mudança climática e na adaptação das comunidades mais vulneráveis.”

Semedo fez ainda um apelo por mais investimento no gerenciamento integrado e sustentável dos recursos naturais.

Em outro evento paralelo da COP24, a FAO lançou uma nova publicação com dez histórias de sucesso de diferentes partes do mundo que mostraram como o gerenciamento de fazendas, plantações, pecuária e aquicultura podem atender as necessidades da segurança alimentar enquanto contribuem com a adaptação à mudança climática e na mitigação das emissões de gases de efeito estufa.

Emissões

De acordo com Semedo, é possível fazer “reduções significativas nas emissões de gases de efeito estufa ao adotar sistemas agrícolas integrados e mais inteligentes ao proteger e gerenciar as florestas e mudando para abordagens que usem recursos naturais de forma sustentável e eficiente.”

A diretora-geral adjunta acrescentou que “desta forma, o setor de uso da terra pode deixar de ser parte do problema do clima e se tornar parte da solução e fornecer até 30% da mitigação do clima necessário até 2030.”

Inscreva-se aqui para receber notícias da ONU News por email

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Michelle Bachelet: “mudança climática é das maiores afrontas aos direitos humanos”

Alta comissária para os Direitos Humanos participa na COP24; representante apela a intervenção dos países e exige proteção dos defensores dos direitos humanos ambientais.

COP24: a Grande Muralha Verde que deve atravessar a África

Iniciativa tem ambição de construir um “muro” de árvores de oeste a leste do continente africano; objetivo é transformar a vida de milhares de pessoas que sofrem com desertificação e mudança climática nas regiões do Sahel e do Saara.