Guiné-Bissau quer transformar setor de energia até 2030

12 dezembro 2018

Conferência internacional sobre energia sustentável no país aconteceu esta semana com apoio de agências da ONU; país lusófono precisa de US$ 700 milhões para estes projetos.

A Guiné-Bissau quer transformar o seu setor de energia até 2030. Os projetos, com um custo estimado de US$ 700 milhões, devem diminuir a dependência externa do país e promover energias renováveis.

Esta foi a principal mensagem da Conferência Internacional Energia Sustentável da Guiné-Bissau, que reuniu esta semana, em Bissau, 150 participantes de instituições públicas, setor privado, ONGs e universidades.

Evento

O evento contou com representantes do governo do país, by Foto: Wikimedia

O evento foi organizado pelo Governo da Guiné-Bissau, em parceria com a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial, Unido, a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Cedeao, e a Associação Lusófona de Energias Renováveis, ​Aler.

Na sessão de abertura, o ministro da Energia, Indústria e Recursos Naturais, António Serifo Embaló, disse que o evento servia para discutir “o futuro de toda uma geração e sua perspectiva de ter acesso a serviços públicos modernos e rendimento decente, conseguido em setores chave como agricultura, processamento de alimentos, pesca, turismo e indústria."

Planos

Durante a conferência, foram apresentadas várias estratégias nacionais, como o Plano de Ação Nacional no Sector das Energias Renováveis, Paner, ou o Plano de Ação Nacional para a Eficiência Energética, Panee. Também foi lançado o Relatório Nacional do Ponto de Situação das Energias Renováveis e Eficiência Energética.

O secretário de Estado da Energia, João Saad, explicou que estes documentos “fornecem uma visão coerente de como alcançar o acesso universal a serviços de energia sustentável.”

O representante da Unido, Martin Lugmayr, afirmou que a ação “é agora ou nunca”. Segundo o especialista, os planos do país preveem US$ 700 milhões para fazer esta transformação até 2030. Até agora, mais de US$ 50 milhões em compromissos de financiamento foram mobilizados.

Lugmayr informou que o país está "procurando investidores e financiadores para investir nesses projetos."

Mudanças

O especialista afirmou que estes planos devem "ajudar o país a diminuir significativamente sua dependência de combustível fóssil até 2030.” Para ele, “as decisões de investimento de hoje irão determinar o caminho energético para as próximas décadas ".

Por sua vez, o representante da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental,  Cedeao, Eder Semedo, disse que “os sinais de mudança já estão aqui”.

A fundadora da Associação Lusófona de Energias Renováveis, Aler, Isabel Cancela de Abreu, afirmou que “a Guiné-Bissau já tem motivos para se orgulhar, graças às mini-redes de energias renováveis ​​que operam em Bambadinca e Contuboel”.

Neste momento, o país está instalando os maiores projetos híbridos de mini-grade de energia renovável na região da Cedeao.

Projeto

A conferência fez parte de um projeto da Unido que promove investimentos em energia renovável no setor elétrico da Guiné-Bissau.

Desde 2014, o projeto ajudou o governo a estimular mudanças através de intervenções nas áreas de política, apoio ao investimento, tecnologia e formação.

Inscreva-se aqui para receber notícias da ONU News por email

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU capacitou forças da Guiné-Bissau para garantir segurança nas eleições

Comissário da Polícia da ONU no país explicou que meta é facilitar coesão e organização durante a votação; mais de 2,5 mil agentes policiais e militares em quatro regiões guineenses foram envolvidos nas sessões.

Agência da ONU e China anunciam resultados de cooperação com Guiné-Bissau e Moçambique

Parceria na área da agricultura inclui tecnologia, conhecimento e investimentos financeiros; objetivo é ajudar a cumprir objetivos da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável.